Reforma Administrativa» “Proposta não traz qualquer melhoria para o serviço público, ao contrário, cria instabilidade e precarização”, afirmou presidente do Fonacate

Reforma Administrativa» “Proposta não traz qualquer melhoria para o serviço público, ao contrário, cria instabilidade e precarização”, afirmou presidente do Fonacate

“O Fonacate produziu diversos estudos, notas técnicas e análises, apresentando dados concretos para a modernização do Estado. Acreditamos sim que podemos melhorar a Administração Pública. E o governo, ao invés de fazer o mesmo e fundamentar seu projeto em evidências técnicas e científicas, apresenta uma proposta sem qualquer embasamento responsável”, enfatizou o presidente Rudinei Marques.

Com informações de:
Ascom/FONACATE

Publicado em: 03/09/2020 20:55

Compartilhe:

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on skype
Share on telegram

Publicado em: 03/09/2020 20:55

Compartilhe:

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on skype
Share on telegram

O governo federal apresentou nesta quinta-feira (3) os principais objetivos para a Proposta de Emenda à Constituição (PEC) da reforma administrativa. Dentre os pontos defendidos pela equipe econômica do governo está o fim da estabilidade dos servidores públicos.

Durante live de lançamento da série Cadernos da Reforma Administrativa, na tarde desta quinta-feira, o Fórum das Carreiras de Estado (Fonacate) voltou a defender o diálogo e o fortalecimento do serviço público, como a estabilidade do cargo.

“Temos sempre nos posicionado pelo debate. Não somos contra a modernização do Estado. Porém, mais uma vez, o governo envia uma proposta de reforma de maneira açodada sem conversar com os principais envolvidos. Os servidores públicos e a sociedade”, disse Rodrigo Spada, vice-presidente do Fórum e presidente da Febrafite.

Hoje foram lançados os Cadernos 9 – “Aperfeiçoamento das Normas Fiscais Brasileiras” e o 10 – “Essencialidade do Planejamento Público e Capacidade Governativa no Brasil: aporias e utopias para um mundo pós-pandêmico” (clique aqui e saiba mais).

 Márcio Gimene, representante da Assecor – afiliada ao Fonacate que elaborou o Caderno 9, explicou que é preciso acabar com algumas falácias do governo, como por exemplo a insistência em comparar o orçamento familiar a um orçamento do Estado e, outra, a de insistir que as despesas com gasto de pessoal crescem de forma descontrolada.

“Estamos diante de várias excepcionalidades fiscais em virtude da pandemia da Covid-19, como por exemplo, o governo não precisa obedecer a regra de ouro. O certo é que nesse cenário a crise econômica vai se acentuar ainda mais no próximo ano. E o que o governo faz? Ao invés de debater saídas, como uma agenda pactuada no desenvolvimento, junto a servidores e demais setores econômicos, apresenta uma reforma administrativa sem estudos e análises técnicas”, ressaltou Gimene.

O Caderno 9 apresenta medidas estruturantes para que o governo trilhe outros caminhos para sair da crise econômica e sanitária, com justiça e equidade dos gastos públicos. Já no Caderno 10, José Celso Cardoso Júnior, presidente da Afipea e coordenador da Comissão de Estudos do Fonacate, defendeu os fundamentos primordiais para a qualidade e a eficiência do Estado.

“Todas as últimas reformas de governo, como a trabalhista e a previdenciária, foram concebidas e empurradas ‘goela abaixo’, sem o diálogo qualificado com a sociedade e os representantes dos trabalhadores públicos e privados. Isso é uma falha gravíssima, não é possível ter reforma exitosa se esta não estiver ancorada em um processo de legitimação política, de consenso e participação dos atores envolvidos. Sem consenso não vamos avançar nesse debate para romper os mitos que envolvem o Estado e o setor público”, argumentou Cardoso.

Na live, José Celso citou que, dentre os fundamentos para a eficiência do Estado, estão: a estabilidade para todos os servidores públicos (pauta sempre defendida pelo Fonacate), para evitar perseguições políticas, assédio institucional e moral; remuneração adequada e previsível; profissionalização e capacitação contínuas; e a autonomia sindical do setor público.

Rodrigo Spada complementou: “Temos que acabar com essa ideologia de reduzir o Estado a qualquer custo e, com isso, retirar direitos. Imaginem, sem estabilidade abrimos a possibilidade para a existência de rachadinhas dentro do funcionalismo”.

O coordenador da Frente Parlamentar Mista em Defesa do Serviço Público e deputado federal, Professor Israel Batista (PV/DF), lembrou que a reforma vem no momento inoportuno. Uma vez que o Congresso Nacional não poderá fazer um debate público em virtude da pandemia e do trabalho remoto dos parlamentares. “Insisto, uma PEC com um viés fiscalista nesse momento em nada vai ajudar a busca pela modernização e melhoria dos serviços prestados à população.”

Rudinei Marques, presidente do Fonacate e do Unacon Sindical, encerrou a live de hoje salientando que “o governo vem com uma proposta que não traz qualquer melhoria para o serviço público, ao contrário, cria instabilidade e precarização”.

“O Fonacate produziu diversos estudos, notas técnicas e análises, apresentando dados concretos para a modernização do Estado. Acreditamos sim que podemos melhorar a Administração Pública. E o governo, ao invés de fazer o mesmo e fundamentar seu projeto em evidências técnicas e científicas, apresenta uma proposta sem qualquer embasamento responsável”, enfatizou o presidente Rudinei.

Marques disse ainda que o Fórum buscará o diálogo, apresentará todos os estudos para os parlamentares e autoridades, e lutará para não permitir a destruição do serviço público brasileiro.

Assista abaixo a live na íntegra.

Categoria

Page Reader Press Enter to Read Page Content Out LoudPress Enter to Pause or Restart Reading Page Content Out LoudPress Enter to Stop Reading Page Content Out LoudScreen Reader Support
Scroll Up