Reforma Administrativa: Durante live deputado cobra dados que embasam a PEC 32/2020

Reforma Administrativa: Durante live deputado cobra dados que embasam a PEC 32/2020

Professor Israel aproveitou para parabenizar o Fonacate pela produção técnica dos Cadernos da Reforma Administrativa, que divulgam dados reais sobre o funcionalismo, abordando temáticas como: avaliação de desempenho, planejamento, assédio institucional, diferenças de remuneração e produtividade no serviço público e muitas outras.

Com informações de:
Ascpm/FONACATE

Publicado em: 02/10/2020 11:15

Compartilhe:

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on skype
Share on telegram

Publicado em: 02/10/2020 11:15

Compartilhe:

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on skype
Share on telegram

O Fórum das Carreiras de Estado (Fonacate) e a Frente Parlamentar Mista em Defesa do Serviço lançaram nesta quinta-feira (1o) mais três cadernos da série Reforma Administrativa: Caderno 11 – A função controle e a burocracia profissionalizada no contexto reformista; Caderno 12 – Assédio Institucional no Setor Público e o Processo de Desconstrução da Democracia e do Republicanismo no Brasil; e o Caderno 13 – Exame Crítico da PEC 32/2020: Dever Constitucional de Proteção da Segurança Jurídica.

Rudinei Marques, presidente do Fonacate e do Unacon Sindical, fez a apresentação dos cadernos 11 e 13. Ele destacou a importância das funções de controle para o Estado, ressaltando que muito além do combate à corrupção os servidores dessas carreiras estão preocupados com o aprimoramento da gestão pública.

Quanto ao caderno 13, que problematiza as questões constitucionais da Proposta de Emenda à Constituição (PEC) 32/2020, Marques argumentou que “o aprimoramento da máquina pública pode ser feito por outros meios, como medidas infraconstitucionais”. E lembrou: “nunca nos negamos a discutir o serviço público e o aperfeiçoamento do Estado. Sempre nos colocamos à disposição para o debate tanto sobre reforma administrativa, avaliação de desempenho e outros assuntos relativos à eficiência da máquina pública”.

Já o deputado federal professor Israel Batista (PV/DF), coordenador da Frente Parlamentar Mista em Defesa do Serviço, cobrou respostas do Ministério da Economia sobre os dados que embasam a PEC 32.

“Assim como fizeram com a reforma da previdência estão fazendo com a reforma administrativa. Na quarta-feira foi amplamente divulgado pela mídia que o ministro Paulo Guedes pediu sigilo sobre os dados que subsidiaram a PEC 32/2020. Como eu ou qualquer parlamentar podemos votar uma matéria sem ter compreendido suas reais justificativas e seus impactos para país?”, questionou.

O deputado e o Fonacate pretendem acionar a Judiciário para cobrar que os dados sejam divulgados. “Acusam o modelo de Estado que nós temos de ineficiente.  Mas o governo, que adora citar exemplos internacionais, não é capaz de apresentar um estudo para demonstrar que nos países onde a reforma administrativa foi implementada houve melhoria da eficiência e da própria gestão pública”, criticou o parlamentar.

Professor Israel aproveitou para parabenizar o Fonacate pela produção técnica dos Cadernos da Reforma Administrativa, que divulgam dados reais sobre o funcionalismo, abordando temáticas como: avaliação de desempenho, planejamento, assédio institucional, diferenças de remuneração e produtividade no serviço público e muitas outras.

“A Frente em Defesa do Serviço Público tem a sorte de contar com o apoio de uma entidade séria como o Fonacate”, enalteceu Batista.

Marcelino Rodrigues, secretário-geral do Fórum e presidente da ANAFE, reiterou que os servidores devem ser ouvidos pelo governo. “Estamos apresentando esse material técnico, os Cadernos, sempre nos colocando à disposição para o debate e para contribuir com o aperfeiçoamento do Estado brasileiro. Ninguém melhor do que o próprio servidor para saber o que o Estado precisa e o que pode ser melhorado. Mas, o governo insiste em fazer essa reforma baseada em fake news e estudos maldosos’, pontuou.

Convidado especial da live desta quinta-feira, Carlos Silva, presidente do Sinait, falou sobre a realidade dos auditores fiscais do trabalho, carreira que tem sofrido assédio institucional há anos.

Ele relatou que o quadro de auditores-fiscais do Trabalho foi reduzido de 3 mil para 2 mil em 30 anos, apesar do crescimento do país. Também destacou a redução abrupta de quase 50% do orçamento da Fiscalização do Trabalho entre os anos de 2019 e 2020. Além disso, o Ministério do Trabalho foi extinto pelo atual governo e a Secretaria de Inspeção passou do segundo para o quarto escalão do governo.

Carlos classificou como assédio institucional sofrido pelos auditores-fiscais os discursos de representantes do governo que apontam a legislação do trabalho como draconiana, que os empresários são muito fiscalizados, que é importante orientar e não multar.  “Reforçamos que não arredaremos pé desse debate e enfrentamento em defesa do Estado brasileiro”, frisou.

Especialista quando o assunto é assédio institucional, José Celso Cardoso Júnior, presidente da Afipea e coordenador da Comissão de Estudos do Fonacate, comentou o Caderno 12 e explicou que “assédio institucional no setor público brasileiro é um fenômeno novo e possui uma vertente organizacional e outra moral”.

No caderno, José Celso que é um dos autores, cita alguns exemplos de assédio contra orgãos como: Universidades e Institutos Federais, Anvisa, Ancine, Bndes, Cnpq, Capes, Finep, Fiocruz, Funai, Ibge, Ibama, Icmbio, Inpe, Inep e Ipea. Vale a leitura!

Sobre a reforma administrativa, Cardoso destacou que a proposta vai afetar sobremaneira a população brasileira, em especial a mais vulnerável, que realmente depende da provisão dos serviços públicos.

“O governo pretende fazer um ajuste fiscal por meio de uma reforma travestida de administrativa. Enquanto no cenário que estamos, o necessário seria, por exemplo, promover meios para a profissionalização da Administração Pública”, propôs.

 

Acesse aqui todos os Cadernos da Reforma Administrativa.

 

Trabalho Parlamentar – Antes de finalizar a Live, o deputado professor Israel lembrou da dificuldade do debate sobre a PEC 32/2020, tendo em vista a pandemia e o trabalho remoto do Congresso Nacional e, agora, as eleições nos estados e municípios para prefeito e vereadores.

Porém, destacou que a Frente está se organizando para o debate e teve o reforço dos senadores Randolfe Rodrigues (REDE/AP) e Weverton Rocha (PDT/MA),  que estão na vice-coordenação, e do deputado federal André Figueiredo (PDT/CE) que assumiu a secretaria-geral.

“Estamos nos preparando para o enfrentamento da PEC 32 no Congresso. Queremos que a sociedade e os servidores públicos participem conosco desse debate. Estamos fazendo um trabalho articulado entre as duas Casas e queremos que a todos compreendam com dados reais e de qualidade o que de fato mudará com a aprovação da reforma administrativa”.

Em breve a Frente em Defesa do Serviço Público lançará um site para facilitar o acesso de todos aos debates.

Assista abaixo a a live na íntegra:

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Categoria

Page Reader Press Enter to Read Page Content Out Loud Press Enter to Pause or Restart Reading Page Content Out Loud Press Enter to Stop Reading Page Content Out Loud Screen Reader Support
Scroll Up