Em webinar promovida pelo Fonacate, especialistas debatem vantagens e desvantagens do Regime de Previdência Complementar

Em webinar promovida pelo Fonacate, especialistas debatem vantagens e desvantagens do Regime de Previdência Complementar

A assessora jurídica do Fonacate, Larissa Benevides, destacou que o objetivo da webinar não é defender ou não a migração, mas municiar os servidores com informações relevantes para que a decisão, que é individual e irrevogável, seja a mais assertiva.

Com informações de: Agência Invicta p/FONACATE

Reaberto pela Medida Provisória 1119/2022, em maio, o prazo para migração para o Regime de Previdência Complementar (RPC) segue aberto até o dia 30 de novembro. Mas diante das recentes alterações promovidas pela reforma da Previdência, nos termos da Emenda à Constituição 103, muitos servidores ainda têm dúvidas sobre as vantagens e desvantagens da mudança. Para ajudar na tomada de decisão, o Fonacate promoveu nesta quarta-feira, 24 de agosto, webinar com a participação do presidente da Funpresp, Cristiano Heckert, e da assessora jurídica do Fórum, Larissa Benevides. A palestra, transmitida pelo  Youtube, foi mediada pela jornalista Vivian Danielle Silva.     

A assessora jurídica destacou que o objetivo da webinar não é defender ou não a migração, mas municiar os servidores com informações relevantes para que a decisão, que é individual e irrevogável, seja a mais assertiva. “O que se busca, por meio desse debate, é trazer pontos de esclarecimento que possam embasar a decisão individual. Afinal, não existe decisão certa ou errada. Existe uma decisão adequada para a realidade de cada servidor.”   

Para iniciar a explanação, o presidente da Funpresp frisou que é importante lembrar que a previdência do servidor público obedece três regras que estão relacionadas com o momento em que cada um ingressou na Administração Pública. “Quem entrou até 2003, está no regime de integralidade e paridade. Depois, quem entrou de 2004 até o início de 2013, está na regra de cálculo da aposentadoria pela média das contribuições. E, para quem entrou a partir de fevereiro de 2013, o valor da aposentadoria no Regime Próprio (RPPS) está limitado ao teto do INSS, atualmente de R$ 7.087,22, e, para que se tenha um complemento, esse servidor precisa, ao longo da sua vida funcional, formar uma reserva”. 

O novo prazo, como lembrou Heckert, reabre a possibilidade de os servidores que ingressaram antes de 2013 migrarem ao RPC e aderirem à Funpresp. Nesses casos, a aposentadoria passará a ser composta pelo valor advindo do RPPS, ou seja o teto do INSS, somado à reserva formada pelo servidor na Funpresp mais o Benefício Especial, que é uma compensação pelas contribuições realizadas acima do teto enquanto o servidor estava em outro regime. 

Para a tomada de decisão, o presidente da Funpresp ressaltou que é preciso considerar três fatores fundamentais. São eles: a redução imediata do desconto referente à contribuição previdenciária na remuneração; a expectativa de valor da aposentadoria, no atual regime e na possibilidade da migração, e dos reajustes ao longo dos anos e, por último, como ficaria o benefício em caso de invalidez e morte. 

A assessora jurídica do Fonacate, Larissa Benevides, acrescentou que, além dessas três variáveis, é importante considerar se o servidor pretende ou não continuar na Administração Pública. “Caso haja interesse em deixar o serviço público, a eventual adesão ao Funpresp permite levar para outro fundo de previdência os aportes já feitos”.  

Durante o webinar, os palestrantes responderam a diversos questionamentos enviados pelos internautas. Foram apresentadas, ainda, pelo presidente da Funpresp, simulações com dados reais para ilustrar diferentes situações em que a migração pode ser considerada vantajosa ou não para os servidores. 

Confira a íntegra do evento abaixo.  

Compartilhe:

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on skype
Share on telegram

Notícias Relacionadas

Dia 5 é o prazo para encerrar-se o processo legislativo com a votação no Senado e remessa do texto aprovado para sanção ou veto pelo Presidente da República, que terá 15 dias para se decidir.
Dia 5 é o prazo para encerrar-se o processo legislativo com a votação no Senado e remessa do texto aprovado para sanção ou veto pelo Presidente da República, que terá 15 dias para se decidir.
Dia 5 é o prazo para encerrar-se o processo legislativo com a votação no Senado e remessa do texto aprovado para sanção ou veto pelo Presidente da República, que terá 15 dias para se decidir.
A Ação Direta de Inconstitucionalidade (ADI) 6.767 foi ajuizada pelo PT.
A Ação Direta de Inconstitucionalidade (ADI) 6.767 foi ajuizada pelo PT.
A Ação Direta de Inconstitucionalidade (ADI) 6.767 foi ajuizada pelo PT.
“É essencial que tenhamos segurança acerca da natureza do benefício especial, até para que aqueles que migraram possam ter uma referência acerca do que terão direito no futuro. Esse é um tema de suma importância nesse momento”, complementou o secretário-geral do Fonacate e presidente da Anafe, Marcelino Rodrigues.
“É essencial que tenhamos segurança acerca da natureza do benefício especial, até para que aqueles que migraram possam ter uma referência acerca do que terão direito no futuro. Esse é um tema de suma importância nesse momento”, complementou o secretário-geral do Fonacate e presidente da Anafe, Marcelino Rodrigues.
“É essencial que tenhamos segurança acerca da natureza do benefício especial, até para que aqueles que migraram possam ter uma referência acerca do que terão direito no futuro. Esse é um tema de suma importância nesse momento”, complementou o secretário-geral do Fonacate e presidente da Anafe, Marcelino Rodrigues.
Fonacate acompanha julgamento relativo à reforma da Previdência.
Fonacate acompanha julgamento relativo à reforma da Previdência.
Fonacate acompanha julgamento relativo à reforma da Previdência.
“Nossa expectativa é que as alíquotas progressivas sejam consideradas inconstitucionais. Houve redução significativa no salário dos servidores”, afirmou Rudinei Marques.
“Nossa expectativa é que as alíquotas progressivas sejam consideradas inconstitucionais. Houve redução significativa no salário dos servidores”, afirmou Rudinei Marques.
“Nossa expectativa é que as alíquotas progressivas sejam consideradas inconstitucionais. Houve redução significativa no salário dos servidores”, afirmou Rudinei Marques.
A reunião contou com a presença dos conselheiros representantes dos participantes do RPPS da União, indicados pelo Fórum das Carreiras de Estado (Fonacate): Décio Bruno Lopes, que também é presidente da Anfip, e Celso Malhani, diretor da Fenafisco.
A reunião contou com a presença dos conselheiros representantes dos participantes do RPPS da União, indicados pelo Fórum das Carreiras de Estado (Fonacate): Décio Bruno Lopes, que também é presidente da Anfip, e Celso Malhani, diretor da Fenafisco.
A reunião contou com a presença dos conselheiros representantes dos participantes do RPPS da União, indicados pelo Fórum das Carreiras de Estado (Fonacate): Décio Bruno Lopes, que também é presidente da Anfip, e Celso Malhani, diretor da Fenafisco.
Page Reader Press Enter to Read Page Content Out Loud Press Enter to Pause or Restart Reading Page Content Out Loud Press Enter to Stop Reading Page Content Out Loud Screen Reader Support