Em reunião ordinária, CNRPPS apresenta encaminhamentos de projetos

Em reunião ordinária, CNRPPS apresenta encaminhamentos de projetos

A reunião contou com a presença dos conselheiros representantes dos participantes do RPPS da União, indicados pelo Fórum das Carreiras de Estado (Fonacate): Décio Bruno Lopes, que também é presidente da Anfip, e Celso Malhani, diretor da Fenafisco.

Com informações de:
Ascom/ANFIP - c/alterações Ascom/FONACATE

Publicado em: 05/06/2020 20:02

Compartilhe:

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on skype
Share on telegram

Publicado em: 05/06/2020 20:02

Compartilhe:

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on skype
Share on telegram

Ocorreu, de forma virtual, na tarde desta quinta-feira (04/6), a 1ª reunião ordinária do Conselho Nacional dos Regimes Próprios de Previdência Social (CNRPPS), conduzida pelo Secretário de Previdência Social e presidente do CNRPPS, Narlon Gutierre Nogueira. A reunião contou com a presença dos conselheiros representantes dos participantes do RPPS da União, indicados pelo Fórum das Carreiras de Estado (Fonacate): Décio Bruno Lopes, que também é presidente da Anfip, e Celso Malhani, diretor da Fenafisco.

Conforme pauta da reunião, foram tratados os assuntos relacionados a operacionalização da atual situação do Sistema de compensação previdenciária – COMPREV; a discussão e proposta de nova regulamentação da taxa de administração dos RPPS; minutas de novos atos normativos relativos a investimentos; normas gerais dos RPPS; e regulamentação da Lei Complementar nº 173/20, em relação a suspensão de contribuições previdenciárias patronais aos regimes próprios.

Compensação Previdenciária – Comprev

A minuta de portaria que trata da operacionalização e a atual situação do Comprev foi o primeiro tema a ser discutido. Leonardo Motta, coordenador-geral de Normatização e Acompanhamento Legal da Secretaria de Previdência, apresentou as futuras atualizações do sistema único do Comprev, que busca um salto de qualidade no formato do processo de pagamento das compensações previdenciárias.

O coordenador explicou que tanto o INSS, órgão gestor do RGPS, quanto o RPPS da União, dos Estados, do Distrito Federal e dos municípios deverão formalizar termo de adesão junto à Secretaria Especial de Previdência e Trabalho, celebrar contrato com a Dataprev para utilização do sistema de compensação previdenciária destinado a manter atualizado o cadastro de todos os benefícios objeto de compensação financeira, além de apurar o montante a ser compensado.

Leonardo informou ainda que a plataforma do sistema está sendo definida e que até o dia 31 de dezembro de 2020, o custeio desse sistema será assumido pelo INSS e, a partir de janeiro de 2021, será de responsabilidade de cada regime instituidor. Enquanto o novo sistema de operacionalização não for concluído, o antigo sistema permanece sendo utilizado com o objetivo de não interromper o processo de compensação previdenciária e de evitar possíveis impactos negativos nos pagamentos.

Em relação a esse assunto o Conselheiro Décio Lopes externou a sua preocupação quanto a obrigatoriedade de assinatura desses contratos, cujo custo, aliado a taxas de administração, pode inviabilizar o regime. Asseverou que, para se estabelecer o custo desses contratos, “seria interessante verificar o patrimônio do regime próprio ou fundos garantidores, pois, se isso não for levado em consideração, pode acabar por extinguir o regime próprio e para isso o ambiente de negócios deve ser estudado com cautela, principalmente quando se fala na privatização da Dataprev”.

Em resposta, Leonardo considerou que o modelo de custeio e de negócio serão avaliados e considerados pelo Conselho. “Como sugestão a empresa desenvolvedora do sistema poderia cobrar por requerimento para não haver um alto custo. Mas a ideia é de que os valores não causem ônus excessivos aos regimes. E, nesse caso, a Secretaria contempla a preocupação apontada pelo conselheiro”.

Taxa de Administração

No segundo painel, foram discutidas as propostas de nova regulamentação das taxas de administração dos RPPS. O coordenador geral de Auditoria e Contencioso da Secretaria de Previdência, Miguel Chaves, e o presidente da Associação Brasileira das Instituições de Previdência Estaduais e Municipais – ABIPEM, João Carlos Figueiredo, explanaram sobre essa antiga demanda, principalmente dos RPPS de pequeno e médio portes, observando que é necessário estabelecer limites.

Os debatedores lembraram que há uma dependência excessiva de consultoria, e que esses custos acabam por não possibilitar oportunidade de capacitação dos servidores municipais na gestão. Com isso, avaliam que a Secretaria deve alinhar a base de cálculo da taxa de administração com o valor da base de cálculo das contribuições; definir novos percentuais da taxa de administração incidente sobre a remuneração de contribuição em função do porte; e estabelecer um limite para as despesas administrativas com consultorias, cujo atendimento será exigido de forma gradual a partir de 2021.

Consultas públicas e regulamentação PLP 39 (Lei Complementar nº 173/20) 

Em sequência, o subsecretário dos Regimes Próprios de Previdência Social e presidente do CONAPRE, Allex Albert Rodrigues, abordou as minutas de atos em consulta pública em relação a investimentos, parâmetros gerais e regime disciplinar, além da regulamentação da Lei Complementar nº 173/20. Informou que as minutas dos atos normativos, após análise de diversas propostas pontuais e divergentes, serão trabalhadas consolidadas e   compiladas   para posterior apresentação aos integrantes do Conselho.

Sobre os temas, Décio Lopes observou que em relação à minuta do decreto que institui o Regime Disciplinar no RPPS “é preciso avaliar a previsão, no texto, de termo de ajustamento de conduta, pois existem situações em que é possível sua emissão sem precisar lavrar o auto da infração. Também há que se considerar que algumas infrações não são passíveis de correção no prazo da fiscalização, mas podem ser corrigidas”.  Quanto à suspensão de contribuições dos órgãos públicos aos RPPS prevista na Lei Complementar 173/20, o conselheiro frisou que a Emenda Constitucional nº 103/19 trouxe a possibilidade de contribuição extraordinária quando os planos forem deficitários. Asseverou que eventual déficit causado pela suspensão dessas contribuições não pode ser considerado para a instituição de contribuições extraordinárias.

Ao final da reunião, o plenário deliberou que as minutas reformuladas serão encaminhadas aos conselheiros para aperfeiçoamento e os resultados serão apresentados na próxima reunião extraordinária marcada para o dia 18 de junho.

Categoria

Page Reader Press Enter to Read Page Content Out Loud Press Enter to Pause or Restart Reading Page Content Out Loud Press Enter to Stop Reading Page Content Out Loud Screen Reader Support
Scroll Up