Fonacate promove seminário sobre gestão de desempenho no setor público

Fonacate promove seminário sobre gestão de desempenho no setor público

A programação completa será divulgada na segunda-feira. Coloque na agenda e participe: dia 30 de julho, das 9h às 13h30, no canal do FONACATE no Youtube.

Com informações de: Ascom/FONACATE

No próximo dia 30 de julho, o Fórum das Carreiras de Estado (Fonacate), em parceira com o Movimento Pessoas à Frente, promove o Seminário sobre Gestão de Desempenho no Setor Público. A pré-programação do evento foi aprovada durante Assembleia Extraordinária do Fonacate, realizada na tarde desta terça-feira (13).

O seminário virtual será transmitido no canal do Fonacate no Youtube e redes sociais das entidades afiliadas e parceiras. As inscrições começam na próxima semana. Para o presidente do Fonacate e da Fenaud, Rudinei Marques, o tema ganha especial relevância no contexto de debates sobre o aprimoramento do serviço público, por conta da tramitação da PEC 32/2020.

“Com a PEC 32 tramitando na Câmara, muitos parlamentares falam sobre a avaliação de desempenho no setor público. Mas ignoram que o assunto não é tratado em nenhum dispositivo da proposta. Vamos nos adiantar e tentar elaborar, em articulação com entidades parceiras, um projeto consistente sobre gestão de desempenho, a partir das experiências hoje já praticadas em diversos órgãos da Administração Pública”, explicou Marques.

A programação completa será divulgada na segunda-feira. Coloque na agenda e participe: dia 30 de julho, das 9h às 13h30.

Sobre a Proposta de Emenda à Constituição (PEC) 32/2020, da reforma administrativa, o Fórum e suas afiliadas vão continuar a conversa com os parlamentares, sobretudo com os que integram a Comissão Especial. “Tenho perguntado, na conversa com os deputados, quais são os dispositivos da proposta que, efetivamente, melhoram o serviço público. E a resposta, invariavelmente, é o silêncio”, disse Marques.

O presidente registrou, ainda, o encontro com o ministro do Tribunal de Contas da União (TCU), Raimundo Carreiro, na sexta-feira, e disse esperar que o Tribunal alerte o Congresso Nacional sobre a ausência de estudos sobre os impactos econômico-fiscais da PEC 32. (clique aqui e saiba mais)

A Assembleia também tratou da campanha salarial de 2022. Segundo especialistas no tema, que integram o Fórum, há espaço no orçamento para reajuste de até 8%. “A defasagem dos servidores da União deve chegar a 20% no próximo ano. Se não começarmos a lutar por uma recomposição salarial, a perspectiva é ficarmos até 2023 com salários congelados”, analisou o economista e presidente do Unacon Sindical, Bráulio Cerqueira.

O Fonacate vai agendar reuniões com representantes do governo para debater a questão do reajuste. E, quanto à PEC 32, intensificar o trabalho parlamentar, inclusive nas próximas semanas, tendo em vista o recesso legislativo, para conversar com os deputados em suas respectivas bases eleitorais.

Compartilhe:

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on skype
Share on telegram

Notícias Relacionadas

O webinar será realizado pelo Fonacate no próximo dia 24 de agosto, às 14h30. A transmissão será pelo canal do Fonacate no Youtube e pelas redes sociais das entidades afiliadas.
O webinar será realizado pelo Fonacate no próximo dia 24 de agosto, às 14h30. A transmissão será pelo canal do Fonacate no Youtube e pelas redes sociais das entidades afiliadas.
O webinar será realizado pelo Fonacate no próximo dia 24 de agosto, às 14h30. A transmissão será pelo canal do Fonacate no Youtube e pelas redes sociais das entidades afiliadas.
Sobre o processo eleitoral, o Fonacate planeja o Encontro com os Presidenciáveis para a entrega da Carta de Princípios.
Sobre o processo eleitoral, o Fonacate planeja o Encontro com os Presidenciáveis para a entrega da Carta de Princípios.
Sobre o processo eleitoral, o Fonacate planeja o Encontro com os Presidenciáveis para a entrega da Carta de Princípios.
“A preocupação com a gestão pública é relativamente recente, em nosso país. Enquanto não a entendermos como elemento primordial para a construção de um Estado necessário, eficiente, moderno e desenvolvido, infelizmente não conseguiremos avançar”, ressaltou o ministro.
“A preocupação com a gestão pública é relativamente recente, em nosso país. Enquanto não a entendermos como elemento primordial para a construção de um Estado necessário, eficiente, moderno e desenvolvido, infelizmente não conseguiremos avançar”, ressaltou o ministro.
“A preocupação com a gestão pública é relativamente recente, em nosso país. Enquanto não a entendermos como elemento primordial para a construção de um Estado necessário, eficiente, moderno e desenvolvido, infelizmente não conseguiremos avançar”, ressaltou o ministro.
“Em um país de tamanhas desigualdades cabe ao Estado, mais do que atenuar as vicissitudes sociais, promover a igualdade. E é por isso que estamos aqui, para que o Estado seja cada vez mais efetivo nessa direção”, afirmou Rudinei Marques.
“Em um país de tamanhas desigualdades cabe ao Estado, mais do que atenuar as vicissitudes sociais, promover a igualdade. E é por isso que estamos aqui, para que o Estado seja cada vez mais efetivo nessa direção”, afirmou Rudinei Marques.
“Em um país de tamanhas desigualdades cabe ao Estado, mais do que atenuar as vicissitudes sociais, promover a igualdade. E é por isso que estamos aqui, para que o Estado seja cada vez mais efetivo nessa direção”, afirmou Rudinei Marques.
Especialistas defendem que a construção de um serviço público moderno e de uma burocracia eficiente passa pelo aperfeiçoamento orçamentário, e depende, também, do enfrentamento a questões sociais e ambientais.
Especialistas defendem que a construção de um serviço público moderno e de uma burocracia eficiente passa pelo aperfeiçoamento orçamentário, e depende, também, do enfrentamento a questões sociais e ambientais.
Especialistas defendem que a construção de um serviço público moderno e de uma burocracia eficiente passa pelo aperfeiçoamento orçamentário, e depende, também, do enfrentamento a questões sociais e ambientais.
“O livro, portanto, é uma crítica ao modelo econômico que está em implementação no Brasil e, ao mesmo tempo, uma sugestão de caminho para o desenvolvimento nacional, a organização do Estado e o manejo da política econômica”, afirma José Celso.
“O livro, portanto, é uma crítica ao modelo econômico que está em implementação no Brasil e, ao mesmo tempo, uma sugestão de caminho para o desenvolvimento nacional, a organização do Estado e o manejo da política econômica”, afirma José Celso.
“O livro, portanto, é uma crítica ao modelo econômico que está em implementação no Brasil e, ao mesmo tempo, uma sugestão de caminho para o desenvolvimento nacional, a organização do Estado e o manejo da política econômica”, afirma José Celso.
Page Reader Press Enter to Read Page Content Out Loud Press Enter to Pause or Restart Reading Page Content Out Loud Press Enter to Stop Reading Page Content Out Loud Screen Reader Support