Fonacate e Servir Brasil pedem que TCU esclareça bases da PEC 32

Fonacate e Servir Brasil pedem que TCU esclareça bases da PEC 32

Representação tem o objetivo de suscitar a atuação do TCU, de constitucional competência fiscalizadora, frente à falta de publicidade e de transparência dos documentos técnicos referentes ao impacto orçamentário-financeiro da PEC 32/2020.

Com informações de:
Ascom/SINDILEGIS e Ascom/FONACATE

Publicado em: 12/07/2021 14:56

Compartilhe:

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on skype
Share on telegram

Publicado em: 12/07/2021 14:56

Compartilhe:

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on skype
Share on telegram

Na sexta (9), o deputado federal Professor Israel Batista (PV/DF), acompanhado dos presidentes do Fonacate, Rudinei Marques, e do Sindilegis, Alison Souza, foram recebidos pelo ministro do Tribunal de Contas da União (TCU), Raimundo Carreiro, para tratar do processo de representação 016.435/2021-4.

Em junho, Professor Israel, que preside a Frente Parlamentar Mista em Defesa do Serviço Público (Servir Brasil), protocolou uma representação para suscitar a atuação do TCU, de constitucional competência fiscalizadora, frente à falta de publicidade e de transparência dos documentos técnicos referentes ao impacto orçamentário-financeiro da PEC 32/2020 e, ainda, aos indícios contidos na Nota Técnica 69/2021, da Consultoria de Orçamentos, Fiscalização e Controle do Senado Federal, que apontam que a mencionada proposta, “de forma agregada, deverá piorar a situação fiscal da União, seja por aumento das despesas ou por redução das receitas” .

O ministro Raimundo Carreiro é o relator da matéria e, na ocasião, os dirigentes expuseram as razões que motivaram o ingresso com a representação junto ao TCU contra a reforma administrativa, entre elas o alto risco de prejuízo aos cofres públicos e o aumento significativo da corrupção.

Os presidentes e os advogados da Fischgold Benevides, que fazem assessoria jurídica do Fonacate e da Frente Servir Brasil, manifestaram preocupação também com o fato de a PEC 32/2020 ter sido apresentada ao Congresso sem nenhum estudo técnico prévio. Além disso, também apresentaram as graves distorções encontradas recentemente pelo TCU durante a apreciação das contas do governo que apontaram para a manipulação de dados dos regimes previdenciários dos servidores civis e militares. Segundo Alison Souza e Rudinei Marques, esses dados foram utilizados pelo governo para justificar a reforma da previdência no ano de 2019.

O ministro Raimundo Carreiro adiantou que irá tratar do tema com a unidade técnica do TCU responsável pela instrução do processo e se colocou à disposição dos interessados para novas conversas sobre o assunto.

Categoria

Page Reader Press Enter to Read Page Content Out Loud Press Enter to Pause or Restart Reading Page Content Out Loud Press Enter to Stop Reading Page Content Out Loud Screen Reader Support
Scroll Up