Sinait e Fonacate debatem PEC 32 com deputado Leonardo Gadelha

Sinait e Fonacate debatem PEC 32 com deputado Leonardo Gadelha

Para o presidente Rudinei Marques, “por mais que sejam feitos ajustes, a PEC 32 é incorrigível, e não entrega melhorias no serviço público, nem aumento de produtividade, tampouco incorporação de novas tecnologias".

Com informações de:
Ascom/SINAIT e Ascom/FONACATE

Publicado em: 12/07/2021 18:42

Compartilhe:

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on skype
Share on telegram

Publicado em: 12/07/2021 18:42

Compartilhe:

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on skype
Share on telegram

Dando sequência ao trabalho de convencimento de parlamentares a respeito das falhas no texto da PEC 32/2020, da reforma administrativa, o presidente do Sinait, Bob Machado, e o presidente do Fonacate, Rudinei Marques, se reuniram nesta segunda-feira (12), com o deputado federal Leonardo Gadelha (PSC/PB) para expor suas preocupações e buscar apoio.

Bob Machado abriu a reunião dizendo que a PEC trata de premissas já ultrapassadas e que, em sua opinião, o texto foi construído a partir de interpretações preconceituosas, que são senso comum a respeito dos servidores públicos. “A PEC apresenta uma caricatura do servidor. E enquanto servidores, queremos uma discussão mais aprofundada. Há coisas sendo ditas, que não estão no texto e que podem ser tratadas no âmbito administrativo, sem necessidade de uma mudança constitucional”, afirmou.

Leonardo Gadelha, que é membro da Comissão Especial que analisa o mérito da PEC 32, afirmou ter consciência de que o texto não pode passar como está. “A maioria absoluta dos membros da Comissão não concorda com a integralidade da proposta. O relator, inclusive, já disse que não vai permitir que cargos técnicos sejam ocupados por pessoas alheias àquela área”, afirmou. Gadelha disse também que a reforma é uma oportunidade de avançar em tecnologias, mas que não se pode usar a chance dada de evoluir, para retroagir.

Para o presidente Rudinei Marques, “por mais que sejam feitos ajustes, a PEC 32 é incorrigível, e não entrega melhorias no serviço público, nem aumento de produtividade, tampouco incorporação de novas tecnologias”.

O deputado ressaltou que o processo legislativo está muito diferente em função da pandemia e que não há, em sua opinião, dificuldade em aprovar um texto totalmente novo. “Se pequenos aprimoramentos não vão adiantar, temos chances de reconstruir, estou sentindo que há abertura e vontade para o debate”, finalizou.

 

Categoria

Page Reader Press Enter to Read Page Content Out Loud Press Enter to Pause or Restart Reading Page Content Out Loud Press Enter to Stop Reading Page Content Out Loud Screen Reader Support
Scroll Up