Reforma Administrativa: “É uma aberração dar poder para presidente da República extinguir órgãos e cargos”, diz senadora Kátia Abreu

Reforma Administrativa: “É uma aberração dar poder para presidente da República extinguir órgãos e cargos”, diz senadora Kátia Abreu

Para a senadora, alguns artigos da PEC 32 podem promover a melhoria da gestão pública. Mas outros precisam ser aprimorados no diálogo junto aos representantes do funcionalismo.

Com informações de:
Ascom/FONACATE

Publicado em: 24/09/2020 20:02

Compartilhe:

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on skype
Share on telegram

Publicado em: 24/09/2020 20:02

Compartilhe:

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on skype
Share on telegram

A senadora Kátia Abreu (PP/TO) foi a convidada do ciclo de debates sobre a reforma administrativa e pautas de interesse do funcionalismo, organizado pela assessoria parlamentar Metapolítica.

O Fórum das Carreiras de Estado (Fonacate) e algumas afiliadas participaram da roda de debates. A senadora também é vice-presidente da Frente Parlamentar pela Reforma Administrativa.

Abreu fez uma ampla defesa da estabilidade para todos os servidores públicos e disse que os demais parlamentares que compõem a Frente devem atuar na mesma linha. “Temos que proteger o servidor, para que não vire refém do chefe e dos políticos de plantão.”

Para a senadora, alguns artigos da PEC 32 podem promover a melhoria da gestão pública. Mas outros precisam ser aprimorados no diálogo junto aos representantes do funcionalismo. E chamou de “aberração” a possibilidade de conferir poderes ao presidente da República para extinção de órgãos e cargos.

Rudinei Marques, presidente do Fonacate e do Unacon Sindical, afirmou que “a reforma administrativa traz um erro de perspectiva, pois centraliza o debate nacional no funcionalismo, mas não é isso que vai tirar o país do abismo em que não para de cair”.

Segundo Marques, a reforma administrativa “deveria ser precedida da reforma tributária, da retomada do crescimento econômico, de um projeto de Nação”. E complementou ressaltando que “há muitos equívocos na PEC 32, como acabar com a estabilidade, quando 60% dos servidores públicos estão nos municípios, sujeitos a imensas pressões políticas. Se for para fazer uma reforma decente, somos parceiros no que tange às discussões sobre avaliação de desempenho, processos de desburocratização e implementação do governo digital”.

A senadora respondeu que o servidor é o foco principal da reforma, mas esse fato tem sido abordado pela mídia de uma maneira negativa. “Acredito que essa proposta quer melhorar a Administração Pública. Mas temos que ressaltar o exército de servidores competentes que temos na linha de frente da saúde, educação e segurança pública, por exemplo. Eu me preocupo em fazer algo para que essas carreiras se sintam valorizadas e reconhecidas.”

Sobre os cargos típicos de Estado, Kátia disse que precisa estudar mais para entender o conceito e pontuou, como necessário para o ajuste fiscal do país, a regulamentação do extrateto que hoje aguarda votação da Câmara dos Deputados.

A senadora se colocou à disposição para novos encontros e enalteceu a importância do diálogo.

 

 

Categoria

Page Reader Press Enter to Read Page Content Out Loud Press Enter to Pause or Restart Reading Page Content Out Loud Press Enter to Stop Reading Page Content Out Loud Screen Reader Support
Scroll Up