Na CCJC da Câmara, presidente do Fonacate pede a suspensão imediata da PEC 32/2020

Na CCJC da Câmara, presidente do Fonacate pede a suspensão imediata da PEC 32/2020

“Não é um momento oportuno. Deveríamos estar concentrados em salvar vidas, em vacinar a população massivamente, em combater a fome e, por fim, em recuperar a economia."

Com informações de:
Ascom/FENAUD

Publicado em: 29/04/2021 19:06

Compartilhe:

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on skype
Share on telegram

Publicado em: 29/04/2021 19:06

Compartilhe:

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on skype
Share on telegram

O presidente do Fonacate e da Fenaud, Rudinei Marques, participou na tarde desta quinta-feira, 29 de abril, de audiência pública na Comissão de Constituição e Justiça e de Cidadania (CCJC) da Câmara dos Deputados, que analisa a admissibilidade da PEC 32/2020, da reforma administrativa. Após apresentar dados que demostram a ausência de justificativas técnicas para as mudanças previstas na proposta, Marques recomendou a suspensão imediata da tramitação.

“Não é um momento oportuno. Deveríamos estar concentrados em salvar vidas, em vacinar a população massivamente, em combater a fome e, por fim, em recuperar a economia. A despeito de tudo isso, para se debater mudanças na Administração Pública, recomendamos que se comece do zero.  É preciso construir uma proposta a partir do diálogo respeitoso, responsável e técnico”, ponderou o presidente da Federação.

A deputada Fernanda Melchionna (PSOL/RS) elogiou a iniciativa, por parte das entidades participantes da audiência, de qualificar o debate com dados consistentes, ao contrário do que, conforme afirmou, faz a equipe econômica. “Aqui o governo não apresentou nenhum dado. Essa PEC é uma peça de ficção”, criticou.

Na sequência, os deputados Érika Kokay (PT/DF) e Kim Kataguiri (DEM/SP) também teceram críticas ao texto. Para a parlamentar, sob a justificativa de “caçar privilégios”, a PEC 32/2020 concede excessivos “privilégios aos governantes contra o próprio Estado”, ao criar cargos de liderança de livre nomeação e ao aumentar espaços para ingerências políticas na máquina pública. Já o demista, afirmou que a criação de novos vínculos é “uma gigantesca confusão jurídica”.

Para concluir as considerações, Marques apontou inconstitucionalidades que devem ser corrigidas na CCJC, caso o colegiado decida dar seguimento à tramitação da PEC. “Os novos princípios são voluntaristas, indeterminados, obscuros e desnecessários; eles não cabem na Constituição. O hiperpresidencialismo não se sustenta. O Poder Executivo não pode alterar cargos e órgãos ao seu bel-prazer. O vínculo de experiência traz enorme insegurança jurídica. Além disso, é preciso rever a possibilidade de desligamento de cargo efetivo por decisão de órgão colegiado, sem trânsito em julgado, e a violação ao princípio da irredutibilidade salarial”, finalizou.

Assista a íntegra da audiência abaixo.

Categoria

Page Reader Press Enter to Read Page Content Out Loud Press Enter to Pause or Restart Reading Page Content Out Loud Press Enter to Stop Reading Page Content Out Loud Screen Reader Support
Scroll Up