Frente Servir Brasil e Fonacate reúnem parlamentares para traçar estratégias de mobilização contra a desvalorização do serviço público

Frente Servir Brasil e Fonacate reúnem parlamentares para traçar estratégias de mobilização contra a desvalorização do serviço público

Além da Reforma Administrativa, outro tema que fez parte do café da manhã foi a PEC 23/2021, que estabelece os precatórios da União em 2022.

Com informações de: Servir Brasil / Com alterações: Ascom/FONACATE e Ascom/UNACON

Com o objetivo de traçar novas estratégias para a mobilização em defesa do serviço público no Congresso Nacional, a Frente Parlamentar Mista em Defesa do Serviço Público (Servir Brasil), o Fórum das Carreiras de Estado (Fonacate) e outras entidades representativas do funcionalismo organizaram um café da manhã com parlamentares, nesta quarta-feira (6/10).

Estiveram presentes os deputados federais Professor Israel Batista (PV/DF), Subtenente Gonzaga (PDT/MG) e André Figueiredo (PDT/CE), membros da Mesa Diretora da Servir Brasil; Rogério Correia (PT/MG), coordenador da Frente Parlamentar Mista em Defesa do Serviço Público; Marcelo Ramos (PL/AM), presidente em exercício da Câmara dos Deputados; Paulo Ramos (PDT/RJ); Capitão Augusto (PL/SP); Erika Kokay (PT/DF); Bohn Gass (PT/RS); além do deputado distrital Fábio Felix (PSol/DF), presidente da Frente Parlamentar em Defesa do Serviço Público e contra a Reforma Administrativa no DF.

Na abertura do evento, o presidente do Fonacate e da Fenaud, Rudinei Marques defendeu que, com a possibilidade de votação da PEC 32/2020, da reforma administrativa, já nos próximos dias, é preciso articular os próximos passos. “Queremos alinhar estratégias para evitar o desmonte. O Estado brasileiro está sendo saqueado.”

O presidente da Servir Brasil, Professor Israel Batista (PV/DF), lembrou a batalha da Frente desde o início dos debates da PEC 32 e a união que se formou entre frentes e entidades representativas dos servidores públicos. “Não há condições racionais que justifiquem esse texto apresentado pelo governo. O sétimo relatório é um terror. Piorou muito”, disse o parlamentar. Israel citou aspectos críticos do texto, como os vínculos precários, o desligamento pela avaliação de desempenho, os contratos temporários de 10 anos e a possibilidade de redução salarial.

Secretário-geral da Servir Brasil, André Figueiredo (PDT/CE), classificou o último relatório, que retirou alguns avanços, como “uma birra de menino zangado” e ressaltou que, como o governo ainda não tem os 308 votos favoráveis para aprovação da Reforma Administrativa, é necessário manter a mobilização. “Essa pressão pré-pauta ajudou bastante. Precisamos manter essa mobilização constante, ela é indispensável para atingir os nossos objetivos”, comentou. Para Figueiredo, se a proposta não for pautada até o fim do ano, a “PEC 32 morre”. Ele sugeriu a continuidade de seminários nos estados e municípios.

Presidente em exercício da Câmara, o deputado Marcelo Ramos (PL/AM) reservou um horário na atribulada agenda para reforçar o seu posicionamento contra a PEC 32. “Esse não é caminho adequado no fim de governo. Eu voto contra. A PEC 32 reestrutura o Estado brasileiro. Não podemos reestruturar para depois o povo brasileiro escolher outro projeto de governo”, analisou. Ramos concorda que o governo não tem os 308 votos na Câmara dos Deputados e acredita ser difícil conquistá-los.

Rogério Correia (PT/MG), coordenador da Frente Parlamentar Mista em Defesa do Serviço Público, enfatizou que a unidade entre as frentes resultou na união entre os servidores públicos e no avanço do tema com a sociedade. “Temos que destacar que a PEC 32 é uma transição do serviço público para a iniciativa privada. Essa proposta não tem conserto, não tem remendo. A nossa luta é pela derrota total.”

Nova ameaça

Além da Reforma Administrativa, outro tema que fez parte do café da manhã foi a PEC 23/2021, que estabelece os precatórios da União em 2022. O petista Bohn Gass (RS) comentou que os números “2” e “3” estão sendo usados nas PECs que atacam áreas essenciais para o País, como educação e saúde. “Nossa grande tarefa é evitar a PEC 32. Mas também temos que estar atentos à PEC 23, que é a PEC do calote, e ao Auxílio Brasil”, afirmou.

Professor Israel Batista convocou os convidados para uma articulação também contra a PEC 23. A principal preocupação do presidente da Frente Servir Brasil é a dificuldade de mensurar o impacto econômico e social da proposta. “Os apoiadores da PEC 23 observam as pessoas humildes de cima para baixo”, lamentou.

“Quanto à PEC 23, fiz manifestações claras e tenho uma proposta alternativa. Qualquer proposta sobre os precatórios, tem que vir com uma quitação. Me preocupa o cinismo do discurso de “não furar o teto”. É uma irresponsabilidade”, completou Marcelo Ramos.

 

Compartilhe:

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on skype
Share on telegram

Notícias Relacionadas

O ato público será realizado no auditório Nereu Ramos, na Câmara dos Deputados, dia 31 de maio, a partir das 14h, e vai contar com a presença de servidores de todo o país, deputados e senadores.
O ato público será realizado no auditório Nereu Ramos, na Câmara dos Deputados, dia 31 de maio, a partir das 14h, e vai contar com a presença de servidores de todo o país, deputados e senadores.
O ato público será realizado no auditório Nereu Ramos, na Câmara dos Deputados, dia 31 de maio, a partir das 14h, e vai contar com a presença de servidores de todo o país, deputados e senadores.
Entidades são recebidas pela ministra Flávia Arruda.
Entidades são recebidas pela ministra Flávia Arruda.
Entidades são recebidas pela ministra Flávia Arruda.
“E se ele não acredita no futuro do país, a PEC 32, da reforma administrativa, por ele elaborada, não é para melhorar a Administração Pública, mas para entregar vastas fatias de serviços públicos à exploração econômica”, disse Rudinei Marques.
“E se ele não acredita no futuro do país, a PEC 32, da reforma administrativa, por ele elaborada, não é para melhorar a Administração Pública, mas para entregar vastas fatias de serviços públicos à exploração econômica”, disse Rudinei Marques.
“E se ele não acredita no futuro do país, a PEC 32, da reforma administrativa, por ele elaborada, não é para melhorar a Administração Pública, mas para entregar vastas fatias de serviços públicos à exploração econômica”, disse Rudinei Marques.
O Fonacate já deliberou pela luta contra a proposta e pela derrubada do texto. Junto com a Frente Servir Brasil ingressou ações no Judiciário cobrando do governo os cálculos que embasam a PEC 32 e até o momento nada foi apresentado.
O Fonacate já deliberou pela luta contra a proposta e pela derrubada do texto. Junto com a Frente Servir Brasil ingressou ações no Judiciário cobrando do governo os cálculos que embasam a PEC 32 e até o momento nada foi apresentado.
O Fonacate já deliberou pela luta contra a proposta e pela derrubada do texto. Junto com a Frente Servir Brasil ingressou ações no Judiciário cobrando do governo os cálculos que embasam a PEC 32 e até o momento nada foi apresentado.
“O governos sabe há muito tempo o valor que tem a pagar. Essa ideia que o ministro da Economia, Paulo Guedes, tem repetido desde o envio da PEC 23, de que o montante dos precatórios federais é um ‘meteoro’, não se sustenta”, criticou Rudinei Marques.
“O governos sabe há muito tempo o valor que tem a pagar. Essa ideia que o ministro da Economia, Paulo Guedes, tem repetido desde o envio da PEC 23, de que o montante dos precatórios federais é um ‘meteoro’, não se sustenta”, criticou Rudinei Marques.
“O governos sabe há muito tempo o valor que tem a pagar. Essa ideia que o ministro da Economia, Paulo Guedes, tem repetido desde o envio da PEC 23, de que o montante dos precatórios federais é um ‘meteoro’, não se sustenta”, criticou Rudinei Marques.
“Estamos falando de pessoas com idade avançada que estão tendo seu direito negado depois de aceitar um acordo proposto pelo próprio poder executivo. Isso é ferir um ato jurídico perfeito. Estamos, todos, muito angustiados”, disse Rudinei Marques.
“Estamos falando de pessoas com idade avançada que estão tendo seu direito negado depois de aceitar um acordo proposto pelo próprio poder executivo. Isso é ferir um ato jurídico perfeito. Estamos, todos, muito angustiados”, disse Rudinei Marques.
“Estamos falando de pessoas com idade avançada que estão tendo seu direito negado depois de aceitar um acordo proposto pelo próprio poder executivo. Isso é ferir um ato jurídico perfeito. Estamos, todos, muito angustiados”, disse Rudinei Marques.
Page Reader Press Enter to Read Page Content Out Loud Press Enter to Pause or Restart Reading Page Content Out Loud Press Enter to Stop Reading Page Content Out Loud Screen Reader Support
Scroll Up