Fonacate faz nova denúncia contra Paulo Guedes à Comissão de Ética Pública/PR, no caso da offshore em “paraíso fiscal”

Fonacate faz nova denúncia contra Paulo Guedes à Comissão de Ética Pública/PR, no caso da offshore em “paraíso fiscal”

"E se ele não acredita no futuro do país, a PEC 32, da reforma administrativa, por ele elaborada, não é para melhorar a Administração Pública, mas para entregar vastas fatias de serviços públicos à exploração econômica", disse Rudinei Marques.

Com informações de:
Ascom/FONACATE

Publicado em: 06/10/2021 19:07

Compartilhe:

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on skype
Share on telegram

Publicado em: 06/10/2021 19:07

Compartilhe:

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on skype
Share on telegram

Representantes do Fórum das Carreiras de Estado (Fonacate) apresentaram, no começo da tarde desta quarta-feira (6), nova denúncia contra o ministro da Economia, Paulo Guedes, por violações ao Código de Conduta da Alta Administração Federal e ao Código de Ética Profissional do Servidor Público Civil, pelo conflito de interesses pela manutenção de empresa offshore milionária em “paraíso fiscal”.

De acordo com o documento, elaborado pela assessoria jurídica do Fonacate, Fischgold & Benevides Advogados, “para além de ilegal, é imoral e desonesto que o Ministro da Economia, o qual já acusou servidores públicos de serem “parasitas” do Estado, mantenha a gestão de ativos milionários em contas de paraísos fiscais no exterior e, ainda, que são valorizados de forma instantânea por variações cambiais diretamente influenciadas por suas decisões como agente público, permitindo-o, assim, lucrar milhões de reais sem qualquer esforço”.

O presidente do Fórum, Rudinei Marques, ressaltou, durante o protocolo da denúncia, que “o fato de o ministro Paulo Guedes manter milhões de dólares em paraísos fiscais é a prova inequívoca de que ele não tem compromisso com o Brasil e não acredita no futuro do país”.

“E se ele não acredita no futuro do país, a PEC 32, da reforma administrativa, por ele elaborada, não é para melhorar a Administração Pública, mas para entregar vastas fatias de serviços públicos à exploração econômica”, complementou Marques.

Já assessora jurídica do Fonacate, Larrissa Benevides, pontuou que “os fatos novos inéditos que a comissão de ética pediu, comparado ao protocolo de 2020 (clique aqui e saiba mais), vieram à tona. O Fonacate trouxe os dados e espera uma posição ativa da Comissão de Ética Pública. A Ética tem que imperar na atual situação”.

Confira no video a posição dos representantes do funcionalismo:

Leia o documento da denuncia no final da matéria (em PDF).

Categoria

Page Reader Press Enter to Read Page Content Out Loud Press Enter to Pause or Restart Reading Page Content Out Loud Press Enter to Stop Reading Page Content Out Loud Screen Reader Support
Scroll Up