Fonacate debate alteração da Lei de Improbidade Administrativa

Fonacate debate alteração da Lei de Improbidade Administrativa

O presidente do Fonacate e da Fenaud, Rudinei Marques, destacou que “o projeto de alteração da lei da improbidade administrativa evoluiu muito desde a versão original, mas ainda faltam alguns ajustes”.

Com informações de:
Ascom/FONACATE - Com fotos e participação: Ascom/ANAFE

Publicado em: 17/12/2020 19:55

Compartilhe:

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on skype
Share on telegram

Publicado em: 17/12/2020 19:55

Compartilhe:

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on skype
Share on telegram

As entidades afiliadas ao Fórum das Carreiras de Estado (Fonacate) realizaram, na manhã desta quinta-feira (17), uma reunião híbrida (presencial e virtual) com o deputado federal Carlos Zarattini (PT/SP) para debater o Projeto de Lei (PL) 10.887/2018, que altera a Lei de Improbidade Administrativa.

O parlamentar é relator da matéria e apresentou substitutivo ao texto que está pronto para ser votado no plenário da Câmara dos Deputados.

Durante o encontro, Zarattini afirmou que a lei, criada na época do Governo Collor, num momento de tensão, na chamada luta contra corrupção “muitas vezes é utilizada com excessos contra políticos e funcionários públicos. O julgamento da mídia e muitos processos que não são apurados corretamente causam enormes prejuízos. Temos que lembrar que essa lei retira direitos políticos e resulta na perda do cargo público, por exemplo”.

O presidente do Fonacate e da Fenaud, Rudinei Marques, destacou que “o projeto de alteração da lei da improbidade administrativa evoluiu muito desde a versão original, mas ainda faltam alguns ajustes”.

No encontro de hoje as afiliadas apresentaram algumas sugestões para a melhoria do texto, que Marques reiterou a expectativa de que sejam “contempladas antes que o substitutivo seja submetido a votação em plenário”.

Representante da Fischgold Benevides Advogados, que faz a assessoria jurídica do Fonacate, Bruno Fischgold elogiou o parecer do deputado e salientou “a importância de se conferir legitimidade ativa aos advogados públicos, uma vez que eles, sim, estão próximos dos gestores e sabem como funciona a Administração Pública. Na maioria dos casos, muito mais que os membros do Ministério Público”.

O vice-presidente do Fonacate e presidente da Anafe, que recebeu em sua sede o parlamentar e representantes do Fórum, Lademir Rocha, aproveitou a ocasião para falar da preocupação com a reforma administrativa e com seus aspectos claramente regressivos e defendeu a necessidade de reforçar as garantias institucionais dos servidores públicos.

“É impossível construir um Estado de Direito sem o mínimo de garantias para que o interesse público seja atendido e se a reforma administrativa tem como objeto imediato atacar o servidor público e suas garantias institucionais, imediatamente, quem é atacado é o povo brasileiro. No que se refere às Carreiras Típicas de Estado isso é ainda mais grave, pois tratamos de servidores com cargos especiais na defesa do interesse público e essas garantias são ainda mais importantes”, afirmou Rocha.

Zarattini agradeceu o encontro e solicitou que o Fonacate formalize em um documento as propostas de melhoria do substitutivo para ser entregue ao seu gabinete até o fim de janeiro de 2021.

 

 

 

Categoria

Page Reader Press Enter to Read Page Content Out Loud Press Enter to Pause or Restart Reading Page Content Out Loud Press Enter to Stop Reading Page Content Out Loud Screen Reader Support
Scroll Up