Nota Pública» Entidades alertam para as consequências nocivas do Projeto de Lei Complementar nº 17/2022

Nota Pública» Entidades alertam para as consequências nocivas do Projeto de Lei Complementar nº 17/2022

"É nítido o conflito de interesses. Principalmente porque essa possibilidade significa transferir o ônus das políticas públicas para pequenas empresas e pessoas físicas."

Com informações de: Ascom/FONACATE

O Fórum das Carreiras de Estado (Fonacate) divulgou nesta terça-feira, 12 de julho, Nota Pública para alertar sobre as consequências nocivas decorrentes de eventual aprovação do Projeto de Lei Complementar nº 17/2022, na forma como atualmente proposto.

“Nesse sentido, a proposta de lei representa, antes de tudo, profundo desequilíbrio ao pacto federativo, uma vez que, concomitantemente, onera as administrações impondo-lhes a conformação à novel legislação, ao tempo em que dispõe sobre medidas que lhes afetarão a arrecadação tributária, o que por si se traveste de invasão às competências constitucionais, expondo-lhe aos controles de constitucionalidade que, por fim, poderão comprometer a segurança jurídica e a previsibilidade, essenciais ao ambiente negocial”, destaca o documento.

Confira a Nota na integra abaixo (no final do texto em PDF).

 

NOTA PÚBLICA

O Fórum Nacional Permanente de Carreiras Típicas de Estado – FONACATE, que representa mais de 200 mil servidores públicos no desempenho de atribuições essenciais ao Estado brasileiro, ligados às áreas de segurança pública, fiscalização e regulação do mercado, advocacia pública, fiscalização agrária, ministério público, diplomacia, arrecadação e tributação, proteção ao trabalhador e à saúde pública, inteligência de Estado, formulação e implementação de políticas públicas, comércio exterior, prevenção e combate à corrupção, fiscalização agropecuária, segurança jurídica e desenvolvimento econômico-social, vem a público alertar sobre as consequências nocivas decorrentes de eventual aprovação do Projeto de Lei Complementar nº 17/2022, na forma como atualmente proposto.

Não obstante o texto substitutivo apresentado pelo relator avançar no aprimoramento da proposta original, e do reconhecimento à legitimidade dos objetivos centrais do projeto, de uniformização do contencioso administrativo tributário e de melhoria das relações fisco-contribuinte, o fato é que sua concepção, ao largo das considerações técnicas de representantes das fazendas públicas, constitui risco potencial às ferramentas de recuperação do crédito tributário, mormente aquelas relacionadas à responsabilização de terceiros, além de implicar revisão profunda de procedimentos e processos no âmbito das administrações tributárias, impingindo aos entes federados ônus financeiro extraordinário.

Nesse sentido, a proposta de lei representa, antes de tudo, profundo desequilíbrio ao pacto federativo, uma vez que, concomitantemente, onera as administrações impondo-lhes a conformação à novel legislação, ao tempo em que dispõe sobre medidas que lhes afetarão a arrecadação tributária, o que por si se traveste de invasão às competências constitucionais, expondo-lhe aos controles de constitucionalidade que, por fim, poderão comprometer a segurança jurídica e a previsibilidade, essenciais ao ambiente negocial.

Em relação ao contencioso fiscal, os artigos 49 a 51 do Parecer substitutivo convalidam o fim do voto de qualidade no CARF, matéria em discussão no STF, estendendo ainda essa alteração para os órgãos de julgamento administrativo de estados e municípios. Essas alterações acarretarão enormes prejuízos à capacidade arrecadatória dos entes federativos, enfraquecendo-os e dificultando a recuperação de créditos tributários, tudo isso na contramão das Recomendações da OCDE, que propugnam tenham as administrações tributárias uma estrutura organizacional que seja efetiva no combate à sonegação e aos crimes tributários, bem como à recuperação de bens que tenham origem nesses ilicitos.

Em nenhuma nação desenvolvida ou em desenvolvimento confederações ou associações empresariais indicam julgadores para a Revisão Administrativa. Muito menos ter o controle, a possibilidade, de derrubar autuações fiscais (muitas vezes bilionárias) sem que sequer sejam julgadas pelo judiciário.

É nítido o conflito de interesses. Principalmente porque essa possibilidade significa transferir o ônus das políticas públicas para pequenas empresas e pessoas físicas.

Para se ter a exata dimensão dos efeitos nefastos dessa alteração, se a mesma já estivesse em vigor, em apenas um ano (2017) R$42 bilhões em autuações fiscais de grandes grupos econômicos teriam sido derrubadas no CARF.

No que tange às atribuições legais dos agentes das fazendas públicas, o projeto invoca a equivocada premissa de que o desequilíbrio de forças entre contribuintes e fiscos justificaria tolher determinadas prerrogativas das atividades de fiscalização e cobrança, quando as mesmas, em verdade, se revestem de força legal justamente enquanto reflexo da necessária supremacia do interesse público.

É particularmente grave a ameaça de responsabilização pessoal da autoridade fiscal contida no art. 4º, inciso XVIII, prevendo a “reparação de danos em caso de exigência de tributo sobre o qual a autoridade fazendária sabia ou deveria saber indevido (…)”.

A definição vaga e imprecisa do inciso XVIII provoca insegurança jurídica, pois a autoridade fiscal precisa interpretar a legislação tributária para aplicá-la ao caso concreto, interpretação esta que pode não ser adotada pelas instâncias de julgamento, no caso de recurso administrativo ou ação judicial.

O parágrafo único do artigo 10 introduz a figura do “dano moral ao contribuinte”, constituindo outra séria ameaça às prerrogativas legais da autoridade fiscal.

O tratamento diferenciado a contribuintes que efetivamente representem baixo risco de passivo tributário, apesar de desejável e alinhado às boas práticas internacionais, não pode servir de base ao esvaziamento das competências legais de agentes públicos, ou à fragilização dos mecanismos de recuperação de créditos nas hipóteses de irregular supressão de impostos ao erário. De rigor, inclusive, tais prerrogativas e ferramentas são a garantia de que contribuintes regulares estarão salvaguardados da concorrência desleal oriunda de sonegação estruturada e fraudes fiscais.

Logo, se impõe necessária e profunda revisão do texto legal, a evitar que condutas permissivas fomentem níveis de sonegação fiscal, comprometendo o financiamento das políticas públicas e deturpando o ambiente concorrencial.

Brasília, 12 de julho de 2022.

Compartilhe:

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on skype
Share on telegram

Notícias Relacionadas

“Ao tempo em que reafirmamos nosso compromisso com o Estado Democrático de Direito, manifestamos nossa confiança que o governo eleito adotará medidas para a retomada das capacidades estatais de planejamento governamental e de coordenação estratégica de políticas públicas.”
“Ao tempo em que reafirmamos nosso compromisso com o Estado Democrático de Direito, manifestamos nossa confiança que o governo eleito adotará medidas para a retomada das capacidades estatais de planejamento governamental e de coordenação estratégica de políticas públicas.”
“Ao tempo em que reafirmamos nosso compromisso com o Estado Democrático de Direito, manifestamos nossa confiança que o governo eleito adotará medidas para a retomada das capacidades estatais de planejamento governamental e de coordenação estratégica de políticas públicas.”
O Fórum ainda se solidariza com a agente Karina Oliveira e o delegado Marcelo Vilella, feridos na ocasião, desejando a ambos pronta recuperação. E estende os votos de solidariedade à ministra Cármen Lúcia, do Supremo Tribunal Federal, vítima de sucessivas ofensas desferidas pelo ex-parlamentar na última semana.
O Fórum ainda se solidariza com a agente Karina Oliveira e o delegado Marcelo Vilella, feridos na ocasião, desejando a ambos pronta recuperação. E estende os votos de solidariedade à ministra Cármen Lúcia, do Supremo Tribunal Federal, vítima de sucessivas ofensas desferidas pelo ex-parlamentar na última semana.
O Fórum ainda se solidariza com a agente Karina Oliveira e o delegado Marcelo Vilella, feridos na ocasião, desejando a ambos pronta recuperação. E estende os votos de solidariedade à ministra Cármen Lúcia, do Supremo Tribunal Federal, vítima de sucessivas ofensas desferidas pelo ex-parlamentar na última semana.
O FONACATE entende que é necessário aguardar o resultado final das urnas e o início da próxima Legislatura para a retomada do debate em torno da reforma administrativa.
O FONACATE entende que é necessário aguardar o resultado final das urnas e o início da próxima Legislatura para a retomada do debate em torno da reforma administrativa.
O FONACATE entende que é necessário aguardar o resultado final das urnas e o início da próxima Legislatura para a retomada do debate em torno da reforma administrativa.
“O FONACATE lamenta que, a poucos meses das eleições, sejam ainda escutadas críticas à segurança das urnas eletrônicas, mesmo depois de recente auditoria do TCU, com base em referencial internacional, ter concluído que o sistema eleitoral brasileiro é bastante seguro.”
“O FONACATE lamenta que, a poucos meses das eleições, sejam ainda escutadas críticas à segurança das urnas eletrônicas, mesmo depois de recente auditoria do TCU, com base em referencial internacional, ter concluído que o sistema eleitoral brasileiro é bastante seguro.”
“O FONACATE lamenta que, a poucos meses das eleições, sejam ainda escutadas críticas à segurança das urnas eletrônicas, mesmo depois de recente auditoria do TCU, com base em referencial internacional, ter concluído que o sistema eleitoral brasileiro é bastante seguro.”
O projeto ameaça terceirizar as atividades de fiscalização agropecuária. No PL, empresas de agronegócio podem contratar fiscais privados para fazer a análise sanitária de seus frigoríficos e estabelecimentos.
O projeto ameaça terceirizar as atividades de fiscalização agropecuária. No PL, empresas de agronegócio podem contratar fiscais privados para fazer a análise sanitária de seus frigoríficos e estabelecimentos.
O projeto ameaça terceirizar as atividades de fiscalização agropecuária. No PL, empresas de agronegócio podem contratar fiscais privados para fazer a análise sanitária de seus frigoríficos e estabelecimentos.
“Além da perda real em decorrência do processo inflacionário, houve redução nominal da renda do funcionalismo federal civil, em função da majoração das alíquotas de contribuição previdenciária”.
“Além da perda real em decorrência do processo inflacionário, houve redução nominal da renda do funcionalismo federal civil, em função da majoração das alíquotas de contribuição previdenciária”.
“Além da perda real em decorrência do processo inflacionário, houve redução nominal da renda do funcionalismo federal civil, em função da majoração das alíquotas de contribuição previdenciária”.
Page Reader Press Enter to Read Page Content Out Loud Press Enter to Pause or Restart Reading Page Content Out Loud Press Enter to Stop Reading Page Content Out Loud Screen Reader Support