Servidor se opõe a cortar salário para bancar ajuda

Servidor se opõe a cortar salário para bancar ajuda

Estudo do Unacon Sindical, entidade afiliada ao Fonacate, aponta que a medida é contraproducente e que há outras alternativas de financiamento.

Com informações de:
Valor Econômico

Publicado em: 12/06/2020 12:15

Compartilhe:

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on skype
Share on telegram

Publicado em: 12/06/2020 12:15

Compartilhe:

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on skype
Share on telegram

Ainda no campo das ideias, a proposta de cortar salários dos políticos e servidores públicos para bancar a prorrogação do auxílio emergencial em R$ 600 já começa a sofrer resistências. O Valor teve acesso a estudo do Sindicato Nacional dos Auditores e Técnicos Federais de Finanças e Controle (Unacon), entidade afiliada ao Fonacate, cujo objetivo é mostrar que a medida é contraproducente e que há outras alternativas de financiamento.

O presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ) reafirmou na semana passada que o Congresso aceitaria discutir o corte salarial dos funcionários dos três Poderes para bancar a prorrogação do benefício. A proposta, segundo Maia, deveria partir do presidente Jair Bolsonaro, em diálogo com os presidentes do Legislativo e do Judiciário.

“Na crise, não faz sentido cortar despesas”, disse Bráulio Cerqueira, secretário-executivo do sindicato. Ele afirmou que o auxílio emergencial de R$ 600 é imprescindível. No entanto, financiá-lo com cortes salariais corresponderia a injetar dinheiro na economia por um lado e retirar do outro. “É inócuo”, comentou.

O gasto estimado para os três meses de auxílio emergencial é de R$ 152,6 bilhões. Cerqueira argumenta que o governo tem recursos para bancar a prorrogação. Cita o saldo de R$ 1,2 trilhão na conta única do Tesouro e o lucro de R$ 500 bilhões do Banco Central.

O resultado do Banco Central, disse ele, não é transferido para o Tesouro por causa de uma alteração legal que entrou em vigor no ano passado. Mas poderia voltar a ocorrer, bastando mudar a lei.

Essa transferência, de fato, é objeto de negociação da equipe do ministro Paulo Guedes com o deputado Mauro Benevides Filho (PDT-CE). Ele pretende apresentar projeto de lei tratando do tema.

Para o sindicalista, há viés ideológico na proposta do governo. Um corte salarial de 25% em um mês não seria suficiente para bancar o benefício no mesmo período. De acordo com dados do Tesouro, as despesas com folha chegaram a R$ 313 bilhões no ano passado.

Em contraste, o governo liberou R$ 1,2 trilhão em recursos para o sistema financeiro. Cerqueira ressaltou que considera a medida correta, mas que não se exigiu nenhuma contrapartida dos bancos.

A área econômica se preocupa com as pressões pela prorrogação do auxílio emergencial, dado seu custo elevado. Considera ainda que os gastos com a pandemia devem ser temporários e limitados a este ano, para não alimentar dúvidas quanto à solvência do país. Um novo programa social, o Renda Brasil, está em formulação. O governo já concordou em prorrogar o auxílio emergencial por dois meses, mas quer reduzir o valor.

Categoria

Page Reader Press Enter to Read Page Content Out Loud Press Enter to Pause or Restart Reading Page Content Out Loud Press Enter to Stop Reading Page Content Out Loud Screen Reader Support
Scroll Up