Reforma Administrativa pode criar exército de cabos eleitorais com até 100.000 cargos comissionados, segundo especialistas

Reforma Administrativa pode criar exército de cabos eleitorais com até 100.000 cargos comissionados, segundo especialistas

A advogada Larissa Benevides explicou que o caderno foi elaborado com uma atenção especial sobre pontos que precisam ser esclarecidos e merecem cuidado dos parlamentares, que ainda vão debater a proposta. “Elencamos os principais impactos da PEC 32 para os servidores públicos em exercício. E, vale ressaltar, que até o momento o governo não divulgou os dados que embasam essa proposta”, destacou.

Com informações de:
Ascom/Fonacate

Publicado em: 05/11/2020 19:15

Compartilhe:

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on skype
Share on telegram

Publicado em: 05/11/2020 19:15

Compartilhe:

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on skype
Share on telegram

Em mais um Caderno da série Reforma Administrativa, o Fórum das Carreiras de Estado (Fonacate) apresenta os equívocos da Proposta de Emenda à Constituição (PEC) 32/2020, que trata da reforma da Administração Pública brasileira.

Lançado durante uma live na tarde desta quinta-feira (5), o Caderno 14 aborda “Os impactos da PEC 32/2020 sobre os atuais servidores” (clique aqui para saber mais sobre os Cadernos da Reforma Administrativa).

Os assessores jurídicos do Fonacate, Larissa Benevides e Bruno Fischgold, autores do Caderno, apontam que objetivo da proposta apresentada pelo governo é enfraquecer o serviço público no Brasil e o instituto do concurso público.

Benevides, que foi a convidada da live de hoje, deixou claro que a PEC 32 traz grave insegurança jurídica para os atuais e futuros servidores. E listou alguns exemplos: imposição do trabalho conjunto de servidores submetidos a diferentes vínculos com a Administração Pública e, consequentemente, munidos de diferentes garantias; substituição das funções de confiança e cargos em comissão por cargos de liderança e assessoramento, que poderão ser ocupados por qualquer cidadão, independentemente de já ser servidor público ou não, para o desempenho de funções estratégicas, gerenciais ou técnicas, e não apenas de direção, chefia e assessoramento, que podem facilmente se confundir com as desempenhadas pelos atuais servidores públicos; e possibilidade de livre transformação de cargos por decreto presidencial.

Segundo o documento, o aparelhamento pelos chamados “cargos de liderança e assessoramento” pode ser de até 100.000 postos de trabalho no serviço público.

“O que sempre deixamos claro é que ninguém é contra ao aperfeiçoamento do Estado brasileiro. Contudo, o que se pode afirmar é que a PEC 32 vai ser um retrocesso dentro do modelo de gestão pública moderna, tão defendida pelo governo”, disse Larissa.

A advogada explicou ainda que o caderno foi elaborado com uma atenção especial sobre pontos que precisam ser esclarecidos e merecem cuidado dos parlamentares, que ainda vão debater a proposta. “Elencamos os principais impactos da PEC 32 para os servidores públicos em exercício. E, vale ressaltar, que até o momento o governo não divulgou os dados que embasam essa proposta”, destacou.

Rudinei Marques, presidente do Fonacate e do Unacon Sindical, reiterou a preocupação com os cargos de liderança previstos na matéria. “Esses cargos poderão ser preenchidos sem concurso público, com base em critérios meramente político-partidários, criando um exército de cabos eleitorais”, argumentou.

“O Caderno 14 mostra que esse discurso do governo de que a reforma administrativa será apenas para os servidores que entrarem após a promulgação do texto não se sustenta. Queremos uma administração pública moderna sim. Porém, sem apaniguados políticos e cabos eleitorais em cargos que devem ser ocupados por servidores de carreira”, declarou Marques.

O deputado federal professor Israel Batista (PV/DF), também coordenador da Frente Parlamentar Mista em Defesa do Serviço Público, cobrou os dados e estudos que fundamentaram a proposta do governo e lembrou dos cadernos lançados até o momento, dando um destaque especial para o que trata da avaliação de desempenho.

“Servidor nenhum é contra avaliação. O que não podemos aceitar é perseguição política”, pontuou o parlamentar. Para ele, é preciso atuar em pontos específicos para a melhoria da gestão pública, não acabar com a estabilidade e suprimir garantias. 

Assista abaixo a live na íntegra.

Categoria

Page Reader Press Enter to Read Page Content Out LoudPress Enter to Pause or Restart Reading Page Content Out LoudPress Enter to Stop Reading Page Content Out LoudScreen Reader Support
Scroll Up