Reforma Administrativa» “O Estado brasileiro está longe de ser ineficiente”, afirma José Celso Cardoso

Reforma Administrativa» “O Estado brasileiro está longe de ser ineficiente”, afirma José Celso Cardoso

O coordenador explicou ainda que o Caderno 16 tem mais de 40 gráficos que mostram uma visão panorâmica sobre a realidade do serviço público.

Com informações de:
Ascom/FONACATE

Publicado em: 09/12/2020 18:52

Compartilhe:

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on skype
Share on telegram

Publicado em: 09/12/2020 18:52

Compartilhe:

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on skype
Share on telegram

Em mais um lançamento da série Cadernos da Reforma Administrativa, o Fórum das Carreiras de Estado (Fonacate) aponta os caminhos para o debate de uma reforma republicana e democrática.

Nesta quarta-feira (9) foi lançado o Caderno 16: “O Funcionalismo Público na Federação: novas evidências sobre ocupação, escolarização, remuneração e atuação da burocracia pública brasileira”.

Co-autor e coordenador da Comissão de Estudos do Fórum, José Celso Cardoso Júnior enfatizou que não há dados que sustentem a informação que o governo tanto vende para a grande mídia de que a máquina pública está inchada, custa caro e é ineficiente.

“O Estado brasileiro está longe de ser ineficiente”, reiterou Cardoso, que cobrou os estudos para essas projeções que o governo faz sobre o serviço público. “Se não quiserem conhecer o material do Fonacate, temos uma base de dados interessantíssima produzida pelo Ipea que chama ‘Atlas do Estado Brasileiro’. É o maior acervo sobre o serviço público no Brasil, que conta com uma produção técnica e qualificada e que utilizamos muito nos Cadernos que estamos elaborando”.

O coordenador explicou ainda que o Caderno 16 tem mais de 40 gráficos que mostram uma visão panorâmica sobre a realidade do serviço público. “Se houvesse interesse em uma reforma que buscasse melhorar o desempenho institucional da máquina pública, deveriam olhar para onde de fato estão os problemas da gestão e do funcionalismo no Estado brasileiro. Os problemas existem e não são poucos, estando localizados, na verdade, em traços históricos arraigados ao burocratismo e ao autoritarismo, tanto nas formas internas de organização e funcionamento da máquina pública, como nas relações pouco republicanas, pouco democráticas e bastante seletivas do Estado com agentes privilegiados do mercado e, sobretudo, com parcelas imensas e vulneráveis da população, ainda hoje alijadas da cidadania plena e dos direitos humanos, econômicos, sociais, culturais e ambientais, em várias de suas dimensões”, pontuou.

Para José Celso, ao invés de apresentar medidas que realmente são necessárias para o país voltar a crescer, o governo se preocupa com propostas como as PECs: Emergencial (186/2019), Revisão dos Fundos (187/2019) e a do Pacto Federativo (188/2019). A 186 e a 188 propõem a redução de até 25% da jornada do servidor, com corte proporcional dos vencimentos. E, agora, a PEC 32/2020, da reforma administrativa, que vai precarizar ainda mais os serviços públicos.

Por fim, Cardoso anunciou que em janeiro devem ser lançados mais dois Cadernos, um sobre a terceirização e precarização do emprego público e outro sobre governo digital.

O deputado federal Professor Israel Batista (PV/DF), coordenador da Frente Parlamentar Mista em Defesa do Serviço Público (Servir Brasil), destacou que essa produção técnica do Fonacate será a base de dados para que o debate no Congresso seja qualificado.

“São muitas as nuances que envolvem essa questão da reforma da Administração Pública. E os Cadernos da Reforma Administrativa demonstram o peso e a relevância do serviço público no Brasil. Estamos apresentando os subsídios para esse processo e para a tomada de decisão que o Congresso precisará fazer em 2021”, declarou o parlamentar.

Pedro Pontual, presidente da Anesp e moderador dos debates, afirmou que o Brasil poderá fazer a reforma da Administração Pública de uma forma mais veloz que se terá conhecimento, quando comparada a outros países. “Na Austrália, por exemplo, eles levaram 18 meses para produzir as propostas que então seriam debatidas pelo parlamento. Aqui já vamos para o debate no Congresso encima de uma proposta que sequer ouviu os servidores públicos”.

Pontual disse ainda que espera celeridade dos parlamentares no processo e que todos possam conhecer os dados reais sobre o funcionalismo e todo o material preparado pelo Fonacate.

Em 2021 o Fórum vai elaborar um livro com todos os Cadernos produzidos para ser entregue a deputados e senadores assim que for iniciado o debate sobre a PEC 32/2020.

 

Assista abaixo a Live de Lançamento do Caderno 16:

Categoria

Page Reader Press Enter to Read Page Content Out Loud Press Enter to Pause or Restart Reading Page Content Out Loud Press Enter to Stop Reading Page Content Out Loud Screen Reader Support
Scroll Up