Presidente do Fonacate debate reforma administrativa durante Congresso Estadual do Fisco

Presidente do Fonacate debate reforma administrativa durante Congresso Estadual do Fisco

Sobre a reforma administrativa, Marques listou os avanços conquistados na última versão do relatório, com mobilização e engajamento das entidades afiliadas ao Fonacate, mas ponderou que a proposta ainda é ruim e deve ser combatida.

Com informações de: Ascom/UNACON e Ascom/FONACATE

Nesta segunda-feira (20),  o presidente do Fórum das Carreiras de Estado (Fonacate), Rudinei Marques, participou da abertura do XIII Congresso Estadual do Fisco do Rio Grande do Norte (Conefisco).  O evento, promovido pelo Sindifern, reuniu autoridades e especialistas para debater o tema “Reformas e Justiça Social”.

Rudinei Marques fez a palestra inaugural com o tema “Reforma administrativa: o que muda no serviço público brasileiro?”. Antes de iniciar a avaliação sobre a PEC 32/2020, ele lembrou o momento que vivemos no Brasil e no mundo, de aumento da pobreza e de aprofundamento da desigualdade social, e destacou a importância de, neste contexto, fortalecer o serviço público. “Quem, se não o Estado, vai enfrentar a crise social, sanitária, econômica e, até, na educação?  O serviço público nunca foi tão necessário”, afirmou.

Sobre a reforma administrativa, Marques listou os avanços conquistados na última versão do relatório, com mobilização e engajamento das entidades afiliadas ao Fonacate, mas ponderou que a proposta ainda é ruim e deve ser combatida. “Estamos num momento em que até quem defendia a reforma não a apoia mais. Temos uma chance real de derrotar esse texto e vamos continuar lutando”.

Para a senadora Zenaide Maia (PROS/RN), a PEC 32/2020 é um projeto de desmonte do serviço público e, se aprovada, trará prejuízos inestimáveis para a população. “É um dos meus compromissos valorizar e defender o serviço público brasileiro, pois não existe Instituição forte sem a valorização dos seus servidores”, disse a congressista.

A governadora Fátima Bezerra lembrou que o fortalecimento do Estado e o aperfeiçoamento das políticas públicas passam, necessariamente, pelas mãos dos servidores. “Nesses tempos que a gente vem vivenciando, de demonização do serviço público, de criminalização dos servidores públicos, nós aqui no Rio Grande do Norte estamos dando lições de competência, de planejamento, de seriedade e de espirito público”, considerou, ao exaltar o trabalho e empenho dos servidores do Fisco estadual.

 

Compartilhe:

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on skype
Share on telegram

Notícias Relacionadas

O webinar será realizado pelo Fonacate no próximo dia 24 de agosto, às 14h30. A transmissão será pelo canal do Fonacate no Youtube e pelas redes sociais das entidades afiliadas.
O webinar será realizado pelo Fonacate no próximo dia 24 de agosto, às 14h30. A transmissão será pelo canal do Fonacate no Youtube e pelas redes sociais das entidades afiliadas.
O webinar será realizado pelo Fonacate no próximo dia 24 de agosto, às 14h30. A transmissão será pelo canal do Fonacate no Youtube e pelas redes sociais das entidades afiliadas.
Sobre o processo eleitoral, o Fonacate planeja o Encontro com os Presidenciáveis para a entrega da Carta de Princípios.
Sobre o processo eleitoral, o Fonacate planeja o Encontro com os Presidenciáveis para a entrega da Carta de Princípios.
Sobre o processo eleitoral, o Fonacate planeja o Encontro com os Presidenciáveis para a entrega da Carta de Princípios.
“A preocupação com a gestão pública é relativamente recente, em nosso país. Enquanto não a entendermos como elemento primordial para a construção de um Estado necessário, eficiente, moderno e desenvolvido, infelizmente não conseguiremos avançar”, ressaltou o ministro.
“A preocupação com a gestão pública é relativamente recente, em nosso país. Enquanto não a entendermos como elemento primordial para a construção de um Estado necessário, eficiente, moderno e desenvolvido, infelizmente não conseguiremos avançar”, ressaltou o ministro.
“A preocupação com a gestão pública é relativamente recente, em nosso país. Enquanto não a entendermos como elemento primordial para a construção de um Estado necessário, eficiente, moderno e desenvolvido, infelizmente não conseguiremos avançar”, ressaltou o ministro.
“Em um país de tamanhas desigualdades cabe ao Estado, mais do que atenuar as vicissitudes sociais, promover a igualdade. E é por isso que estamos aqui, para que o Estado seja cada vez mais efetivo nessa direção”, afirmou Rudinei Marques.
“Em um país de tamanhas desigualdades cabe ao Estado, mais do que atenuar as vicissitudes sociais, promover a igualdade. E é por isso que estamos aqui, para que o Estado seja cada vez mais efetivo nessa direção”, afirmou Rudinei Marques.
“Em um país de tamanhas desigualdades cabe ao Estado, mais do que atenuar as vicissitudes sociais, promover a igualdade. E é por isso que estamos aqui, para que o Estado seja cada vez mais efetivo nessa direção”, afirmou Rudinei Marques.
Especialistas defendem que a construção de um serviço público moderno e de uma burocracia eficiente passa pelo aperfeiçoamento orçamentário, e depende, também, do enfrentamento a questões sociais e ambientais.
Especialistas defendem que a construção de um serviço público moderno e de uma burocracia eficiente passa pelo aperfeiçoamento orçamentário, e depende, também, do enfrentamento a questões sociais e ambientais.
Especialistas defendem que a construção de um serviço público moderno e de uma burocracia eficiente passa pelo aperfeiçoamento orçamentário, e depende, também, do enfrentamento a questões sociais e ambientais.
“O livro, portanto, é uma crítica ao modelo econômico que está em implementação no Brasil e, ao mesmo tempo, uma sugestão de caminho para o desenvolvimento nacional, a organização do Estado e o manejo da política econômica”, afirma José Celso.
“O livro, portanto, é uma crítica ao modelo econômico que está em implementação no Brasil e, ao mesmo tempo, uma sugestão de caminho para o desenvolvimento nacional, a organização do Estado e o manejo da política econômica”, afirma José Celso.
“O livro, portanto, é uma crítica ao modelo econômico que está em implementação no Brasil e, ao mesmo tempo, uma sugestão de caminho para o desenvolvimento nacional, a organização do Estado e o manejo da política econômica”, afirma José Celso.
Page Reader Press Enter to Read Page Content Out Loud Press Enter to Pause or Restart Reading Page Content Out Loud Press Enter to Stop Reading Page Content Out Loud Screen Reader Support