Corrosão inflacionária causa apreensão às afiliadas ao Fonacate

Corrosão inflacionária causa apreensão às afiliadas ao Fonacate

Para o presidente do Fonacate e da Fenaud, Rudinei Marques, as entidades precisam mobilizar suas bases para a campanha salarial de 2021: “Temos que abrir diálogo com o governo. Os salários estão congelados, perdendo mês a mês o seu poder de compra. Somente nos últimos doze meses, considerando o IGP-M, que corrige os aluguéis, as perdas acumuladas chegam a 24,52%. E se não houver ao menos a reposição inflacionária durante o governo Bolsonaro, isso só poderá ocorrer em 2024".

Com informações de:
Ascom/FONACATE

Publicado em: 01/12/2020 19:49

Compartilhe:

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on skype
Share on telegram

Publicado em: 01/12/2020 19:49

Compartilhe:

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on skype
Share on telegram

O processo inflacionário volta a preocupar dirigentes das entidades de classe do funcionalismo. Segundo especialistas do Fonacate, as perdas salarias acumuladas nos últimos anos chegam a 30%. O tema foi debatido na Assembleia Geral Extraordinária do Fórum das Carreiras de Estado (Fonacate), realizada na tarde desta terça-feira (1º).

De acordo com estudos do Sinal, de janeiro de 2010 a janeiro de 2021, os servidores terão deixado de receber 19,9 salários. Isso por não ter o reajuste inflacionário do período.

“Em dez anos deixamos de receber cerca de dois salários por ano”, compara Paulo Lino, presidente do Sinal e secretário-geral do Fonacate. “Seria como se o funcionalismo recebesse anualmente, em vez dos treze salários legais, apenas onze. Dois salários anuais têm sido a contribuição do funcionalismo para o equilíbrio fiscal, cujas causas são outras, que não a despesa com pessoal, e não são enfrentadas pelo governo”, completa.

Bráulio Cerqueira, economista e presidente eleito do Unacon Sindical, explica que no serviço público federal “as remunerações encontram-se congeladas em termos nominais até dezembro de 2021. Até lá, com exceção dos militares, a corrosão pelo IPCA desde a última reposição – em janeiro de 2017 ou janeiro de 2019, a depender do caso – somará 20% ou 12%, respectivamente, isto se a inflação não acelerar no próximo ano”.

Para o presidente do Fonacate e da Fenaud, Rudinei Marques, as entidades precisam mobilizar suas bases para a campanha salarial de 2021: “Temos que abrir diálogo com o governo. Os salários estão congelados, perdendo mês a mês o seu poder de compra. Somente nos últimos doze meses, considerando o IGP-M, que corrige os aluguéis, as perdas acumuladas chegam a 24,52%. E se não houver ao menos a reposição inflacionária durante o governo Bolsonaro, isso só poderá ocorrer em 2024″.

 

REFORMA ADMINISTRATIVA

Outro tema da pauta foi a Proposta de Emenda à Constituição (PEC) 32/2020, que trata da reforma administrativa.

Os membros do Fonacate debateram uma proposta de texto substitutivo ao projeto, que também está sendo elaborado em parceria com a Frente Parlamentar Mista em Defesa do Serviço Público (Servir Brasil).

A questão da estabilidade, vínculos de experiência, avaliação de desempenho, cargos típicos de Estado são os temas que mais preocupam os servidores. O Fonacate e suas afiliadas já estão se preparando para os debates da PEC 32 que devem iniciar no Congresso a partir de fevereiro de 2021.

Saiba mais sobre a PEC 32/2020 conhecendo a série Cadernos da Reforma Administrativa (é só clicar aqui).

Também na Assembleia foi aprovada a afiliação da Federação Nacional dos Delegados de Polícia Federal (Fenadepol) ao Fórum. O Fonacate passa a ser composto por 35 entidades afiliadas.

 

 

Categoria

Page Reader Press Enter to Read Page Content Out Loud Press Enter to Pause or Restart Reading Page Content Out Loud Press Enter to Stop Reading Page Content Out Loud Screen Reader Support
Scroll Up