Assembleia» PEC 32 ainda representa ameaça ao serviço público

Assembleia» PEC 32 ainda representa ameaça ao serviço público

“Se a derrubada integral da proposta não for possível, vamos continuar trabalhando em busca de melhorias", disse Rudinei Marques.

Com informações de: Ascom/FONACATE

 

Na Assembleia Geral realizada na tarde desta terça-feira (14), as afiliadas ao Fórum das Carreiras de Estado (Fonacate), que acompanham a apreciação do relatório do deputado federal Arthur Maia (DEM/BA) na Comissão Especial da PEC 32/2020, debateram os riscos que a reforma ainda apresenta para o funcionalismo.

No geral, as entidades entendem que o deputado Arthur Maia melhorou bastante o texto apresentado pelo Executivo. Porém, ainda há riscos como a possibilidade de contratações temporárias irrestritas mediantes processos simplificados; a previsão de redução de jornada e remuneração; a demissão por obsolescência do cargo; a proibição da concessão de adicionais por tempo de serviço, licenças, adicionais e parcelas indenizatórias por substituição; e a restrição às progressões e promoções funcionais.

“Reconhecemos que o deputado ouviu parte das nossas demandas. Mas não é hora de ceder! Ainda tem pontos prejudiciais nessa proposta”, disse Lademir Rocha, vice-presidente do Fonacate e presidente da Anafe.

Já Bráulio Cerqueira, presidente do Unacon Sindical, lembrou que a PEC original era “trágica”, e reconheceu os avanços no texto de Arthur Maia. “Porém, é preciso estar alertas para não permitirmos nenhum retrocesso na proposta e analisar melhorias que ainda sejam possíveis, caso a matéria siga sua tramitação no Congresso”, ressaltou.

O presidente do Fonacate e da Fenaud, Rudinei Marques, afirmou que o relator foi corajoso, por exemplo, ao manter a estabilidade para todos os atuais servidores; e também suprimiu o vínculo de experiência e a possibilidade de indicações políticas para funções técnicas e estratégicas e manteve as escolas de governo. “Se a derrubada integral da proposta não for possível, vamos continuar trabalhando em busca de melhorias.”

Precatórios – Outro item da pauta foi a Proposta de Emenda a Constituição (PEC) 23/2021, dos precatórios, que prevê o parcelamento de precatórios, inclusive alimentares, quando a soma total de todos os precatórios devidos pela União for superior a 2,6% da receita corrente líquida. Essa previsão impactaria o pagamento dessas dívidas já a partir do próximo ano, e afeta, inclusive, acordos propostos pelo próprio Poder Executivo com deságio.

O Fonacate e entidades parcerias, com as respectivas assessorias jurídicas, estão na luta para evitar esse verdadeiro calote no pagamento dos precatórios federais. O Fórum tem participado de reuniões com representantes do Ministério da Economia, parlamentares e diversas instituições para debater o tema.

Compartilhe:

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on skype
Share on telegram

Notícias Relacionadas

O webinar será realizado pelo Fonacate no próximo dia 24 de agosto, às 14h30. A transmissão será pelo canal do Fonacate no Youtube e pelas redes sociais das entidades afiliadas.
O webinar será realizado pelo Fonacate no próximo dia 24 de agosto, às 14h30. A transmissão será pelo canal do Fonacate no Youtube e pelas redes sociais das entidades afiliadas.
O webinar será realizado pelo Fonacate no próximo dia 24 de agosto, às 14h30. A transmissão será pelo canal do Fonacate no Youtube e pelas redes sociais das entidades afiliadas.
Sobre o processo eleitoral, o Fonacate planeja o Encontro com os Presidenciáveis para a entrega da Carta de Princípios.
Sobre o processo eleitoral, o Fonacate planeja o Encontro com os Presidenciáveis para a entrega da Carta de Princípios.
Sobre o processo eleitoral, o Fonacate planeja o Encontro com os Presidenciáveis para a entrega da Carta de Princípios.
“A preocupação com a gestão pública é relativamente recente, em nosso país. Enquanto não a entendermos como elemento primordial para a construção de um Estado necessário, eficiente, moderno e desenvolvido, infelizmente não conseguiremos avançar”, ressaltou o ministro.
“A preocupação com a gestão pública é relativamente recente, em nosso país. Enquanto não a entendermos como elemento primordial para a construção de um Estado necessário, eficiente, moderno e desenvolvido, infelizmente não conseguiremos avançar”, ressaltou o ministro.
“A preocupação com a gestão pública é relativamente recente, em nosso país. Enquanto não a entendermos como elemento primordial para a construção de um Estado necessário, eficiente, moderno e desenvolvido, infelizmente não conseguiremos avançar”, ressaltou o ministro.
“Em um país de tamanhas desigualdades cabe ao Estado, mais do que atenuar as vicissitudes sociais, promover a igualdade. E é por isso que estamos aqui, para que o Estado seja cada vez mais efetivo nessa direção”, afirmou Rudinei Marques.
“Em um país de tamanhas desigualdades cabe ao Estado, mais do que atenuar as vicissitudes sociais, promover a igualdade. E é por isso que estamos aqui, para que o Estado seja cada vez mais efetivo nessa direção”, afirmou Rudinei Marques.
“Em um país de tamanhas desigualdades cabe ao Estado, mais do que atenuar as vicissitudes sociais, promover a igualdade. E é por isso que estamos aqui, para que o Estado seja cada vez mais efetivo nessa direção”, afirmou Rudinei Marques.
Especialistas defendem que a construção de um serviço público moderno e de uma burocracia eficiente passa pelo aperfeiçoamento orçamentário, e depende, também, do enfrentamento a questões sociais e ambientais.
Especialistas defendem que a construção de um serviço público moderno e de uma burocracia eficiente passa pelo aperfeiçoamento orçamentário, e depende, também, do enfrentamento a questões sociais e ambientais.
Especialistas defendem que a construção de um serviço público moderno e de uma burocracia eficiente passa pelo aperfeiçoamento orçamentário, e depende, também, do enfrentamento a questões sociais e ambientais.
“O livro, portanto, é uma crítica ao modelo econômico que está em implementação no Brasil e, ao mesmo tempo, uma sugestão de caminho para o desenvolvimento nacional, a organização do Estado e o manejo da política econômica”, afirma José Celso.
“O livro, portanto, é uma crítica ao modelo econômico que está em implementação no Brasil e, ao mesmo tempo, uma sugestão de caminho para o desenvolvimento nacional, a organização do Estado e o manejo da política econômica”, afirma José Celso.
“O livro, portanto, é uma crítica ao modelo econômico que está em implementação no Brasil e, ao mesmo tempo, uma sugestão de caminho para o desenvolvimento nacional, a organização do Estado e o manejo da política econômica”, afirma José Celso.
Page Reader Press Enter to Read Page Content Out Loud Press Enter to Pause or Restart Reading Page Content Out Loud Press Enter to Stop Reading Page Content Out Loud Screen Reader Support