Assembleia» Fonacate define estratégias para enfrentar a Reforma Administrativa

Assembleia» Fonacate define estratégias para enfrentar a Reforma Administrativa

Também foi discutida a Proposta de Emenda à Constituição 186/2019, conhecida como a PEC Emergencial, e que a qualquer momento pode ser apreciada pelo Congresso. A avaliação geral é de que não há legalidade na medida.

Com informações de:
Ascom/FONACATE

Publicado em: 10/02/2021 14:32

Compartilhe:

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on skype
Share on telegram

Publicado em: 10/02/2021 14:32

Compartilhe:

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on skype
Share on telegram

Na primeira Assembleia Geral de 2021, realizada por videoconferência na tarde desta terça-feira (9), as entidades que compõem o Fórum das Carreiras de Estado (Fonacate) aprovaram as estratégias de atuação para enfrentar a Proposta de Emenda à Constituição (PEC) 32/2020, que trata da reforma da Administração Pública.

Uma das primeiras deliberações foi o apoio do Fonacate ao novo mandado de segurança que será impetrado por parlamentares da Frente Servir Brasil, no Supremo Tribunal Federal (STF), para suspender a tramitação da PEC até que o governo apresente os dados que subsidiaram a proposta.

A assessora jurídica do Fórum, Larissa Benevides, explicou que o ministro da economia fala que a reforma administrativa vai ajudar a economizar bilhões e questionou: “Onde estão esses estudos? Para o devido processo legislativo é preciso conhecer esses dados para que os deputados e senadores tenham conhecimento técnicos para analisar a matéria”.

Abrindo os trabalhos junto ao Fonacate, o deputado federal e coordenador da Frente Servir Brasil, Professor Israel Batista (PV/DF), informou que além da ação jurídica está previsto ainda, em conjunto com a Frente em Defesa da Reforma Administrativa, uma série de debates com a participação da sociedade sobre os principais pontos da PEC 32.

“Já solicitamos reuniões com os presidentes da Câmara e do Senado, deputado Arthur Lira (PP/AL) e senador Rodrigo Pacheco (DEM/MG), e tenho certeza de que com toda a produção técnica elaborada pelo Fonacate e a Frente Servir Brasil chegamos fortalecidos para esse debate no Congresso Nacional. Agora é hora de mobilização e demonstrar que uma reforma administrativa deve fortalecer o Estado, e não retirar serviços públicos dos cidadãos”, ressaltou.

Foi apresentado às afiliadas um possível substitutivo global da PEC 32, e também criado grupo de trabalho para elaborar um projeto de lei sobre avaliação de desempenho no serviço público.

Também foi discutida a Proposta de Emenda à Constituição 186/2019, conhecida como a PEC Emergencial, e que a qualquer momento pode ser apreciada pelo Congresso. A avaliação geral é de que não há legalidade na medida, e também que os servidores já estão dando sua cota de contribuição em decorrência do congelamento salarial. Ademais, a avaliação técnica da proposta deixa claro que os recursos de eventual corte seriam completamente insuficientes para fazer frente ao auxílio emergencial. O Fonacate já solicitou uma reunião com o relator da matéria, senador Márcio Bittar (MDB/AC).

Ainda durante a Assembleia foi deliberado que o Fonacate deve lançar mais uma campanha de mídia (assista abaixo o vídeo que está no ar na Globo News), e também foram apresentadas iniciativas das afiliadas Anesp, Sindifisco e Anfip que lançaram sites para que toda a sociedade e o funcionalismo acompanhem o processo de debate da reforma administrativa, acesse:

https://queestadoqueremos.org/

 

https://naoapec32.com.br/

 

https://www.anfip.org.br/reforma-administrativa/

 

Desde 2019 o Fonacate vem elaborando diversos estudos sobre a temática e, no ano passado, lançou os Cadernos da Reforma Administrativa (clique aqui para saber mais).

Campanha Salarial – O secretário-geral do Fonacate e presidente do Sinal, Paulo Lino, junto aos presidentes da Assecor, Márcio Gimene, e do Unacon Sindical, Braúlio Cerqueira, apresentaram um estudo sobre a corrosão salarial dos servidores nos últimos anos.

De acordo com Lino, 21,7 salários deixaram de ser recebidos pelos servidores nos últimos 10 anos. “É preciso colocar esse debate na mesa. O governo não está dando nem a recomposição por inflação que a Constituição Federal recomenda e ainda fala em corte de salários e jornada”, criticou.

“A reforma administrativa que o governo tanto defende para o ajuste fiscal, se compararmos, já ocorre há anos com a falta da recomposição salarial dos servidores”, disse Márcio Gimene.

O Fonacate e as afiliadas vão preparar estudos técnicos sobre as perdas inflacionárias do funcionalismo para entregar a representantes do governo.

 

Categoria

Page Reader Press Enter to Read Page Content Out Loud Press Enter to Pause or Restart Reading Page Content Out Loud Press Enter to Stop Reading Page Content Out Loud Screen Reader Support
Scroll Up