ARTIGO» Os servidores públicos estão salvando o Brasil

ARTIGO» Os servidores públicos estão salvando o Brasil

"Quase 90% dos profissionais empregados pelo setor público brasileiro estão em estados e municípios, encarregados do atendimento que mais impacta o dia a dia do brasileiro. A maior parte trabalha nas prefeituras e, na média, recebe salários 2% menores do que a média do setor privado."

Com informações de: Guilherme Coelho*

Imaginem a hipotética situação em que precisássemos salvar o Brasil de um governo delinquente, que se mantivesse no poder aproveitando a momentânea paralisia social causada, por exemplo, por uma pandemia. Pensem nesse roteiro de filme de terror. Como iríamos sair dessa enrascada?

As últimas horas nos mostraram que a principal garantia de sobrevivência para o Brasil seria um Estado competente, composto por instituições sólidas, alicerçadas em profissionais que servem ao país, e não a um projeto político passageiro. Seja ele qual for.

A esperança brasileira de superação da crise causada pela Covid-19, como vimos, está centrada na atuação independente dos servidores do Instituto Butantan, da Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz), da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) e do Sistema Único de Saúde (SUS). Neles estão cientistas, médicos, enfermeiros, administradores e tantos outros profissionais com os quais a sociedade tem uma dívida de agradecimento a ser paga.

E se o país continua funcionando é porque as esferas privadas — famílias, pessoas, empresas, organizações não governamentais — são amparadas pela pública. Desde a limpeza urbana aos serviços de segurança, de saúde, de educação, de arrecadação, de justiça e de ordenamento.

O agradecimento aos servidores públicos começa justamente pelo ato de reconhecer a importância social do trabalho que desempenham. Não é por acaso que os países que mais admiramos são aqueles que contam com um corpo de profissionais públicos valorizados pela sociedade. Essas nações já aprenderam que políticas de Estado, sustentadas por uma administração pública que desfrute de autonomia, devem se sobrepor aos atos de governos transitórios.

São servidores independentes, altamente qualificados, que garantem atualmente a possibilidade de o Brasil contar com vacinas para o controle da pandemia. Profissionais assim são até capazes de contrariar absurdos perpetrados por governantes e dizer que não há tratamento preventivo para o novo coronavírus, mesmo que as autoridades tenham torrado inutilmente dinheiro do povo na fabricação de panaceias.

O Congresso Nacional, com nova liderança a partir do mês que vem, tem a oportunidade histórica de promover o reconhecimento aos servidores de uma forma mais ampla e justa. A Câmara dos Deputados e o Senado estão com a missão de realizar uma transformação do Estado brasileiro, a partir da reforma administrativa.

Ao falarmos de reforma, logo se exaltam os arautos de um discurso fiscalista, que, numa visão simplificadora, pregam o encolhimento da máquina pública como solução mágica. Estão errados. A questão essencial não é o tamanho do gasto realizado pelo Brasil, mas sim sua qualidade.

Quase 90% dos profissionais empregados pelo setor público brasileiro estão em estados e municípios, encarregados do atendimento que mais impacta o dia a dia do brasileiro. A maior parte trabalha nas prefeituras e, na média, recebe salários 2% menores do que a média do setor privado.

Há sim distorções e privilégios, que a reforma administrativa deve ter a coragem de enfrentar. Porém, seu foco deve ser mais amplo, no sentido de intervir para a valorização dos profissionais públicos, propiciando-lhes condições para atingir maior qualificação e progressão em suas carreiras.

Para que nosso filme não seja uma tragédia sem fim, devemos alterar o roteiro. Os parlamentares têm a responsabilidade de fazer isso, a começar por uma reforma que reconheça a importância dos servidores públicos e promova a transformação do Estado, vacinando-o contra o vírus de governantes autoritários e limítrofes.

*Guilherme Coelho é diretor de cinema e empreendedor social.

Compartilhe:

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on skype
Share on telegram

Notícias Relacionadas

“É urgente o restabelecimento das mesas de negociação. A legislação poderia ajudar. O PLS 397/2015 regulamentou importantes aspectos da negociação coletiva no serviço público, apesar de não estipular data-base nem prazos para conclusão das etapas negociais.”
“É urgente o restabelecimento das mesas de negociação. A legislação poderia ajudar. O PLS 397/2015 regulamentou importantes aspectos da negociação coletiva no serviço público, apesar de não estipular data-base nem prazos para conclusão das etapas negociais.”
“É urgente o restabelecimento das mesas de negociação. A legislação poderia ajudar. O PLS 397/2015 regulamentou importantes aspectos da negociação coletiva no serviço público, apesar de não estipular data-base nem prazos para conclusão das etapas negociais.”
Desde o envio da proposta ao Congresso Nacional, em setembro passado, o governo alardeia que a PEC não afeta os servidores atuais. Isso é falso. A reforma administrativa os impacta profundamente em, pelo menos, sete aspectos, incluindo o fim do regime jurídico único e a criação de um “regime de extinção”.
Desde o envio da proposta ao Congresso Nacional, em setembro passado, o governo alardeia que a PEC não afeta os servidores atuais. Isso é falso. A reforma administrativa os impacta profundamente em, pelo menos, sete aspectos, incluindo o fim do regime jurídico único e a criação de um “regime de extinção”.
Desde o envio da proposta ao Congresso Nacional, em setembro passado, o governo alardeia que a PEC não afeta os servidores atuais. Isso é falso. A reforma administrativa os impacta profundamente em, pelo menos, sete aspectos, incluindo o fim do regime jurídico único e a criação de um “regime de extinção”.
“Bastou pouco para perdermos o rumo. Dia a dia são atacados os fundamentos do Estado democrático de direito. São tão frequentes as agressões às instituições republicanas, à moralidade pública, ao meio ambiente e aos princípios da dignidade da pessoa humana insculpidos na Constituição Federal – e à própria Constituição – que hoje damos graças tão somente por pisarmos em terra firme, vale dizer, por estarmos vivos e podermos respirar.”
“Bastou pouco para perdermos o rumo. Dia a dia são atacados os fundamentos do Estado democrático de direito. São tão frequentes as agressões às instituições republicanas, à moralidade pública, ao meio ambiente e aos princípios da dignidade da pessoa humana insculpidos na Constituição Federal – e à própria Constituição – que hoje damos graças tão somente por pisarmos em terra firme, vale dizer, por estarmos vivos e podermos respirar.”
“Bastou pouco para perdermos o rumo. Dia a dia são atacados os fundamentos do Estado democrático de direito. São tão frequentes as agressões às instituições republicanas, à moralidade pública, ao meio ambiente e aos princípios da dignidade da pessoa humana insculpidos na Constituição Federal – e à própria Constituição – que hoje damos graças tão somente por pisarmos em terra firme, vale dizer, por estarmos vivos e podermos respirar.”
“Agora, em meio à pandemia do Coronavírus, a Fundação propõe múltiplas reduções nas pensões por morte e nas aposentadorias por invalidez, sem apresentar aos participantes quaisquer estudos atuariais que justifiquem tais medidas.”
“Agora, em meio à pandemia do Coronavírus, a Fundação propõe múltiplas reduções nas pensões por morte e nas aposentadorias por invalidez, sem apresentar aos participantes quaisquer estudos atuariais que justifiquem tais medidas.”
“Agora, em meio à pandemia do Coronavírus, a Fundação propõe múltiplas reduções nas pensões por morte e nas aposentadorias por invalidez, sem apresentar aos participantes quaisquer estudos atuariais que justifiquem tais medidas.”
A caneta presidencial permitiu prosperar um “jabuti” que transfere o voto de qualidade dos representantes da Fazenda.
A caneta presidencial permitiu prosperar um “jabuti” que transfere o voto de qualidade dos representantes da Fazenda.
A caneta presidencial permitiu prosperar um “jabuti” que transfere o voto de qualidade dos representantes da Fazenda.
Em épocas de grave crise como a que enfrentamos agora, nada é mais indispensável do que a união. O Presidente Jair Bolsonaro, no entanto, está seguindo outro caminho.
Em épocas de grave crise como a que enfrentamos agora, nada é mais indispensável do que a união. O Presidente Jair Bolsonaro, no entanto, está seguindo outro caminho.
Em épocas de grave crise como a que enfrentamos agora, nada é mais indispensável do que a união. O Presidente Jair Bolsonaro, no entanto, está seguindo outro caminho.
Page Reader Press Enter to Read Page Content Out Loud Press Enter to Pause or Restart Reading Page Content Out Loud Press Enter to Stop Reading Page Content Out Loud Screen Reader Support