A SUA PRESENÇA FAZ A DIFERENÇA

A SUA PRESENÇA FAZ A DIFERENÇA

As ameaças contra os servidores públicos voltaram mais uma vez à cena, fruto da articulação de parte do governo e de parte dos candidatos à Presidência da República nas eleições do próximo ano. Nossa ação desde já poderá minimizar os efeitos deletérios do que pretendem. A capacidade de nos movimentarmos e articularmos determinará nossas possibilidades de sucesso.


Do governo, vêm os projetos em tramitação na Câmara (PLP-01/2007), de autoria do Poder Executivo, e no Senado (PLS-611/2007), de autoria de alguns líderes – ambos restringindo o limite de despesas de pessoal, com impacto para novos concursados, para criação de cargos e funções, para reestruturações de funções comissionadas e para reajustes salariais. Os projetos, na prática, são um congelamento dos salários de todo o funcionalismo público federal, inclusive das carreiras típicas de Estado.


Do Poder Executivo vem a ideia de amarrar, em uma só proposta, três temas: negociação coletiva, liberação de dirigente sindical e restrições à greve, especialmente aos servidores das carreiras vinculadas às atividades exclusivas de Estado, da qual a sua faz parte. O pacote é de extrema gravidade e almeja enquadrar a ação sindical e associativa, limitando fortemente a defesa dos interesses dos servidores públicos por suas entidades representativas. O FONACATE precisa conquistar presença nessa negociação e em outras análogas, de caráter geral dos servidores que representa.


As ingerências políticas em instituições, como as nomeações e afastamentos, por razões não de Estado, nem da Sociedade, nem do Trabalho, fazem aumentar nossas preocupações e vem requerer de nós a elaboração de propostas que levem à autonomia institucional. É bom lembrar que as instituições nas quais trabalhamos, a rigor, não dependem de políticas governamentais para agir, pois têm sua responsabilidade definida em lei e programação de trabalho definida internamente. O debate eleitoral, por outro turno, cria oportunidade para esse e outros bons debates de temas institucionais de nosso interesse e de interesse da Sociedade. O FONACATE é o instrumento dos servidores que representa para dar mais altura à nossa voz, especialmente em temas de natureza institucional.


Além disso, deste para o próximo ano, a campanha eleitoral crescerá e trará novamente o debate sobre os servidores públicos, com propostas dos candidatos sempre adversas, tentando fazer de nós objeto de crítica, restrições e verdadeiro trampolim para grandes saltos. Um dos temas de que se volta a falar é o de outra reforma da previdência para os servidores públicos. O papel do FONACATE é entrar organizadamente nesse combate.


Desta vez não podemos assistir passivos a mais todas essas investidas. O passado já nos ensinou. Desta vez, precisaremos agir, demonstrando a nossa união e disposição de resistir, de criticar, de disputar idéias e propostas. Também precisamos ter sabedoria para transformar adversidades em oportunidades. Se começarmos já, enfrentaremos com competência e força os problemas e ameaças presentes e nos prepararemos para enfrentar essas questões de futuro próximo, antes que cresçam e se tornem muito fortes contra nós.


FONACATE – Fórum Nacional Permanente de Carreiras Típicas de Estado, em processo de renovação de ideias e aperfeiçoamento de suas práticas, realizará um evento para dar início à demonstração de sua existência política de modo mais evidente. Promoverá nos dias 10 e 11 de novembro a Conferência Nacional das Carreiras Típicas de Estado, no auditório Petrônio Portela do Senado Federal, com temas ligados à nossa condição de carreiras vinculadas às atividades exclusivas de Estado.


Os temas já são em si de grande interesse. Os apresentadores e debatedores certamente tornarão o evento bastante interessante. Mas o evento tem, intrinsecamente, alcance maior. O evento pretende mostrar um pouco de nossa feição institucional e como tal um pouco de nossa coletiva feição política. Pretende dar uma demonstração pública da identidade política que há entre todas as carreiras vinculadas às atividades exclusivas de Estado. É isso que nos fará capazes de enfrentarmos com real chance de sucesso as investidas de governo, de candidatos a presidência e de quaisquer outros agentes políticos.


Uma grande presença dos servidores demonstrará nossa crescente união e a necessidade de esses servidores serem respeitados e ouvidos. Esse é o primeiro entre outros eventos que ocorrerão. É a sua presença que dá força e capacidade de ação ao FONACATE diante dos desafios existentes.


Brasília, setembro, 2009.

FONACATE – Fórum Nacional Permanente de Carreiras Típicas de Estado
Comissão Executiva

Downloads

Compartilhe:

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on skype
Share on telegram

Notícias Relacionadas

“O FONACATE lamenta que, a poucos meses das eleições, sejam ainda escutadas críticas à segurança das urnas eletrônicas, mesmo depois de recente auditoria do TCU, com base em referencial internacional, ter concluído que o sistema eleitoral brasileiro é bastante seguro.”
“O FONACATE lamenta que, a poucos meses das eleições, sejam ainda escutadas críticas à segurança das urnas eletrônicas, mesmo depois de recente auditoria do TCU, com base em referencial internacional, ter concluído que o sistema eleitoral brasileiro é bastante seguro.”
“O FONACATE lamenta que, a poucos meses das eleições, sejam ainda escutadas críticas à segurança das urnas eletrônicas, mesmo depois de recente auditoria do TCU, com base em referencial internacional, ter concluído que o sistema eleitoral brasileiro é bastante seguro.”
“É nítido o conflito de interesses. Principalmente porque essa possibilidade significa transferir o ônus das políticas públicas para pequenas empresas e pessoas físicas.”
“É nítido o conflito de interesses. Principalmente porque essa possibilidade significa transferir o ônus das políticas públicas para pequenas empresas e pessoas físicas.”
“É nítido o conflito de interesses. Principalmente porque essa possibilidade significa transferir o ônus das políticas públicas para pequenas empresas e pessoas físicas.”
O projeto ameaça terceirizar as atividades de fiscalização agropecuária. No PL, empresas de agronegócio podem contratar fiscais privados para fazer a análise sanitária de seus frigoríficos e estabelecimentos.
O projeto ameaça terceirizar as atividades de fiscalização agropecuária. No PL, empresas de agronegócio podem contratar fiscais privados para fazer a análise sanitária de seus frigoríficos e estabelecimentos.
O projeto ameaça terceirizar as atividades de fiscalização agropecuária. No PL, empresas de agronegócio podem contratar fiscais privados para fazer a análise sanitária de seus frigoríficos e estabelecimentos.
“Além da perda real em decorrência do processo inflacionário, houve redução nominal da renda do funcionalismo federal civil, em função da majoração das alíquotas de contribuição previdenciária”.
“Além da perda real em decorrência do processo inflacionário, houve redução nominal da renda do funcionalismo federal civil, em função da majoração das alíquotas de contribuição previdenciária”.
“Além da perda real em decorrência do processo inflacionário, houve redução nominal da renda do funcionalismo federal civil, em função da majoração das alíquotas de contribuição previdenciária”.
Segundo o Assediômetro, plataforma mantida por entidades de classe do funcionalismo para registrar casos de assédio em âmbito federal, já são 1.248 casos desde 2020, e órgãos como IBAMA e FUNAI se destacam em número de ocorrências.
Segundo o Assediômetro, plataforma mantida por entidades de classe do funcionalismo para registrar casos de assédio em âmbito federal, já são 1.248 casos desde 2020, e órgãos como IBAMA e FUNAI se destacam em número de ocorrências.
Segundo o Assediômetro, plataforma mantida por entidades de classe do funcionalismo para registrar casos de assédio em âmbito federal, já são 1.248 casos desde 2020, e órgãos como IBAMA e FUNAI se destacam em número de ocorrências.
“A ANVISA cumpre sua missão institucional ao registrar e aprovar o produto. Não cabe a ANVISA decidir sobre a aplicação ou consumo dos produtos registrados e aprovados, sendo injusta e inaceitável a exposição dos nomes dos técnicos que trabalham no fiel cumprimento de suas atribuições.”
“A ANVISA cumpre sua missão institucional ao registrar e aprovar o produto. Não cabe a ANVISA decidir sobre a aplicação ou consumo dos produtos registrados e aprovados, sendo injusta e inaceitável a exposição dos nomes dos técnicos que trabalham no fiel cumprimento de suas atribuições.”
“A ANVISA cumpre sua missão institucional ao registrar e aprovar o produto. Não cabe a ANVISA decidir sobre a aplicação ou consumo dos produtos registrados e aprovados, sendo injusta e inaceitável a exposição dos nomes dos técnicos que trabalham no fiel cumprimento de suas atribuições.”
Page Reader Press Enter to Read Page Content Out Loud Press Enter to Pause or Restart Reading Page Content Out Loud Press Enter to Stop Reading Page Content Out Loud Screen Reader Support