FONACATE – Fórum Nacional Permanente de Carreiras Típicas de Estado

Carreiras Típicas de Estado:

Menu Fechar

Moro deve explicar a Bolsonaro que PF não pode ouvir porteiro, diz delegado

Facebook
Twitter

Com Informações: Site UOL 30/10/2019 17:04


Caso não é de competência da Polícia Federal, afirma Paiva.

O ministro da Justiça, Sergio Moro, deve informar ao presidente Jair Bolsonaro (PSL) que a Polícia Federal não pode intervir em um caso em apuração pelo Ministério Público Estadual do Rio de Janeiro nem ordenar que os policiais tomem depoimentos. Essa é a avaliação do presidente da Associação Nacional dos Delegados da Polícia Federal (ADPF), entidade afiliada ao Fonacate, Edvandir Félix de Paiva.

Jair Bolsonaro disse que pediria ao ministro para a PF entrar no caso e tomar novo depoimento do porteiro que o envolveu no assassinato da vereadora Marielle Franco (PSOL/RJ).

Um documento obtido pela Polícia Civil do Rio mostra que Élcio Queiroz, motorista do carro de onde partiram os tiros para matar a vereadora, esteve no dia do crime no condomínio no Rio onde morava o presidente. O registro ainda aponta o número da casa do presidente como destino do assassino.

Em depoimento, o porteiro disse que foi Jair Bolsonaro quem autorizou a entrada de Élcio, mas o presidente estava em Brasília naquele dia. A polícia quer as gravações de áudio da portaria para confirmar de quem é a voz que autorizou a entrada dele.

Paiva explicou que, ainda que o caso pare no STF (Supremo Tribunal Federal), só o Supremo poderia ordenar diligência à PF. A corporação cuidou apenas do caso de obstrução à investigação do assassinato da vereadora.

Para o delegado, o presidente precisa acionar seus advogados para comprovar sua inocência, como qualquer cidadão faz. “O melhor caminho é que ele mesmo requeira, por meio de seus advogados, a quem conduz essa investigação a diligência que ele achar pertinente para provar que não tem envolvimento nenhum, como um cidadão comum costuma fazer”, disse.

O presidente do Instituto Não Aceito Corrupção, o promotor Roberto Livianu, também afirmou que quem deve saber se é necessário tomar ou não outro depoimento do porteiro é quem conduz a investigação atualmente: o Ministério Público e a Polícia Civil do Rio.

Falando em tese, sem comentar o caso especificamente, disse que uma investigação não pode ser pautada por pressões políticas.

“Ouvir testemunhas e depois ouvir novamente faz parte da regra do jogo”, iniciou Livianu. “Só quem está à frente da investigação tem plenas condições de verificar se é caso de ouvir ‘A’ ou ‘B’. Agora, com certeza, uma investigação criminal não deve se render a pressões de pessoas
detentoras de fatias de poder no flanco ‘A’ ou ‘B’. As coisas devem seguir seu caminho natural.”

Livianu também enfatizou a necessidade de agir com serenidade na apuração dos crimes sem prejulgamentos nem interesses político-partidários.

Leia a matéria na íntegra no link:
https://noticias.uol.com.br/cotidiano/ultimas-noticias/2019/10/30/sergio-moro-explicar-jair-bolsonaro-pf-investigar-marielle-franco-porteiro.htm?utm_source=facebook&utm_medium=social-media&utm_campaign=uol&utm_content=geral&fbclid=IwAR1OzHOUVoFl98bSJ4XxguQHklkxUyRYQJyqtURTzFxG-212lKsdKdvNSHs

Voltar ao topo

Todos os direitos reservados © FONACATE 2019