• Finanças e Controle
  • Fiscalização
  • Gestão Pública
  • Segurança Pública
  • Comércio Exterior
  • Diplomacia
  • Advocacia Pública
  • Defensoria Pública
  • Regulação
  • Política Monetária
  • Planejamento
  • Orçamento Federal
  • Magistratura
  • Ministério Público
Notícias
Organização sindical e associativa: Entidades cobram revisão da IN 02 Rudinei Marques também comentou arbitrariedades relacionadas à liberação para consulta médica, ao sobreaviso e, além disso, reiterou pedido para manutenção dos servidores liberados para o exercício classista na folha de pagamento da União. Com informações: Ascom/FONACATE Publicado em 16/11/2018 às 13:14

A Comissão de Trabalho, de Administração e de Serviço Público (CTASP) da Câmara dos Deputados debateu, na quarta-feira (14), a Instrução Normativa 02, publicada pelo Ministério do Planejamento, que estabelece orientações, critérios e procedimentos gerais em relação à jornada de trabalho dos servidores públicos federais.

 

 

 

Durante a audiência pública, representantes do funcionalismo cobraram do secretário de Gestão de Pessoas do Ministério do Planejamento, Augusto Akira Chiba, a revisão imediata da IN, que extrapola as competências regulamentares do Poder Executivo.

 

“A medida é visivelmente inconstitucional, posto que inviabiliza a organização associativa e sindical garantida na Constituição. Já temos decisões da Justiça Federal de 1º e 2º grau, para que as liberações para eventos das entidades de classe como assembleias e congressos ocorram sem a necessidade de compensação. Observamos, com essa IN, que, cada vez mais, as garantias dos serviços públicos estão sendo tolhidas”, afirmou o presidente do Fórum das Carreiras de Estado (Fonacate), Rudinei Marques.

 

Marques também comentou arbitrariedades relacionadas à liberação para consulta médica, ao sobreaviso e, além disso, reiterou pedido para manutenção dos servidores liberados para o exercício classista na folha de pagamento da União. “Tudo que esse governo pôde fazer para prejudicar a atividade sindical do funcionalismo ele fez. Sempre fomos liberados, com manutenção em folha, na modalidade de ressarcimento à União. Mas, em 2016, uma nova interpretação do Planejamento fez com que perdêssemos essa garantia. É nítida a má vontade da Secretaria de Gestão de Pessoas em sanar esses problemas. Sempre buscamos o diálogo, diversas vezes apontamos alternativas e soluções, mas nessa gestão não tivemos sucesso”, desabafou o presidente do Fonacate.

 

A assessora jurídica do Fórum, Larissa Benevides, enfatizou que a regulamentação da jornada de trabalho dos servidores públicos foi muito além das competências regulamentadoras do Poder Executivo, e desrespeitou direitos constitucionais já resguardados ao funcionalismo.

 

“Para exemplificar, podemos destacar que a IN 02 pode provocar o enriquecimento ilícito da Administração em razão do regime do sobreaviso, além do tolhimento à liberdade associativa e sindical. E prejudicar ainda mais servidores que precisam se ausentar para tratamento de saúde ou mesmo acompanhar um filho ou pai e mãe por motivos de doenças graves”, argumentou a advogada.

 

Larissa lembrou que diversos órgãos da Administração Pública possuem normativos internos para liberação dos servidores para participação em eventos, e o Ministério do Planejamento não os considerou quando publicaram a IN 02.

 

Já o vice-presidente do Fonacate e presidente do Sinal, Jordan Alisson, também citou a preocupação com o artigo 36 da IN, que inviabiliza a atividade dos dirigentes classistas. “O dirigente sindical muitas vezes defende não interesses isolados das suas carreiras, mas a melhoria dos serviços públicos, para melhorar o atendimento à população”, salientou. Ele reiterou o pedido para que o Planejamento corrija essas distorções.

 

Alexandre Cunha, presidente da Afipea, assinalou que, ao acompanhar as últimas medidas tomadas pelo Ministério do Planejamento, em especial pela secretaria de gestão de pessoas, vê-se um conjunto de ações claramente voltadas à limitação da atividade sindical no serviço público.

 

“O maior exemplo disso é que o secretário Chiba disse que todos os órgãos foram ouvidos na construção da IN 02, mas, curiosamente, nenhum sindicato foi ouvido. Por que não conversar com os sindicatos? Isso poderia sanar falhas, que agora levarão à  judicialização da questão, gerando trabalho dobrado para o governo. Daqui a pouco, começam a surgir decisões conflitantes ou contrastantes e a bagunça vai ficar pior ainda, porque cada categoria começa a ter decisão diferente a seu favor e o grau de confusão aumenta. Repito, tudo isso poderia ter sido evitado se houvesse diálogo entre governo e os representantes dos servidores. Como estamos tentando fazer agora, já com a IN em curso, nesse debate aqui na CTASP”, ponderou Cunha.

 

Representando o Ministério do Planejamento, o secretário Augusto Akira Chiba defendeu que a IN não esta extrapolando a Constituição. Disse ainda que o objetivo foi apenas regulamentar as questões sobre a jornada de trabalho dos servidores e, se houver equívocos, o texto poderá ser revisado. 

 

Ao responder os questionamentos de Rudinei Marques e Jordan Alisson sobre o tolhimento ao exercício classista, Chiba argumentou que não procede a informação de que houve restrição para participação nessas atividades, e se comprometeu a responder uma consulta que está no Planejamento sobre o artigo 36 da IN. 

 

Ao final da audiência a deputada Erika Kokay (PT/DF), que presidiu os debates, propôs um grupo de trabalho na CTASP, com as entidades e representantes do Ministério do Planejamento, para analisar os impactos da IN na realidade dos servidores públicos.

 

Erika também comunicou que protocolou na Câmara o Projeto de Decreto Legislativo (PDC 1065/2018), que susta artigos da Instrução Normativa 02. Segundo ela, o documento é inconstitucional, ilegal e configura abuso de Poder do Executivo.

 

Assista abaixo às falas dos representantes do Fonacate:

 

Rudinei Marques

 

Jordan Alisson

 

Alexandre Cunha


 

Considerações finais dos participantes:

 

 Rudinei Marques


Jordan Alisson


Alexandre Cunha

 

Todos os direitos reservados © FONACATE 2013 layout por grupoflamba.com & desenvolvido por MGNIERS Política de Privacidade Termos de Uso